Causando no cinema: o ano da música na telona

Nem atores famosos, nem histórias engajantes, nem críticas boas. Em tempos atuais, uma das únicas maneiras de se obter um gigantesco sucesso de bilheteria no cinema é ser parte de uma franquia mundialmente conhecida. Mas 2018 foi o ano que alguns poucos filmes conseguiram furar esse bloqueio. O segredo? Música.

+++

O primeiro grande fenômeno foi “The Greatest Showman” (no Brasil, “O Rei do Show”). Tecnicamente um lançamento de 2017 (ele teve sua estréia oficial no dia 20 de dezembro), o longa metragem tinha como grande estrela Hugh Jackman e contava também com Zac Efron, Zendaya, Michelle Williams e Rebecca Fergunson em seu elenco. O público alvo era abrangente: qualquer um interessado em entretenimento family friendly.

O musical era livremente inspirado na história de P.T. Barnum, o criador do primeiro grande circo dos EUA, o Barnum & Bailey Circus. Apesar de uma promoção forte e um elenco com nomes conhecidos, não havia nenhum motivo para suspeitar que o musical iria ser um sucesso excepcional. Ele foi uma produção relativamente cara (U$85 milhões de dólares, sem contar com marketing) e muitos achavam que o valor investido não era justificado e que o filme ia penar para recuperar os gastos (para isso, estima-se que é preciso lucrar três vezes o custo original).

Mas “The Greatest Showman” surpreendeu a todos, captando a imaginação do público de uma maneira que ninguém esperava e se consagrando como um fenômeno.

Arrisco dizer que, desde “High School Musical”, nenhum musical — nem o record breaking “Mamma Mia”, de 2008, nem o super premiado “La La Land”, de 2016 — chegou perto de se tornar um fenômeno de massa da proporção do filme de estréia do diretor australiano Michael Gracey.

“The Greatest Showman” não foi nenhum queridinho dos críticos. De acordo com o agregador de reviews Rotten Tomatoes, o musical teve aprovação profissional de 53%, um resultado bom mas longe de ser excepcional. Ele tampouco foi um fenômeno espetacular logo de cara: estreou em quarto lugar nas bilheterias estado-unidenses e em terceiro no Reino Unido, obtendo números iniciais mornos. Porém, algo muito raro aconteceu: na segunda semana, os números cresceram. O público amou e, aos poucos, o boca-a-boca o elevou a um nível de sucesso impar.

Depois de lucrar 8 milhões de dólares no seu fim de semana de estréia nos EUA, um resultado mediocre, o filme se consolidou como uma das opções mais populares por meses à fio. No fim de sua trajetória, “The Greatest Showman” tinha alcançado 175 milhões de dólares arrecadados só no seu país de origem e tinha se tornado um dos filmes com bilheteria mais estável na história.

A trilha sonora encerrou 2018 como o único álbum a conseguir ultrapassar 1 milhão de cópias em vendas puras nos EUA (1.49 milhões para ser exato). Com números de streaming acrescentados, “The Greatest Showman” alcançou o equivalente a 2.5 milhões de cópias, sendo o terceiro maior CD do ano no país (atrás apenas de Drake e Post Malone). Cinco músicas do filme obtiveram certificação de Platina, enquanto outras duas alcançaram Ouro.

Mas o sucesso ficou longe de ficar limitado apenas aos EUA. Muito pelo contrário, internacionalmente a recepção foi ainda mais calorosa. Dos 435 milhões de dólares arrecadados, 261 milhões foram em mercados estrangeiros. Os três países onde “The Greatest Showman” conseguiu superar os EUA em sucesso proporcional foram o Reino Unido, a Austrália e o Japão. Em todos esses mercados, o musical figurou dentre as 5 maiores bilheterias do ano.

O Reino Unido foi o lugar que abraçou o filme mais entusiasticamente. No país, a trilha sonora ficou nada menos do que 11 semanas no topo das paradas dos mais vendidos (e ainda está no topo, de modo que poderá estender sua lideranças por várias semanas mais) e encerrou 2018 como o maior CD do ano, com 1.6 milhão de unidades vendidas (uma distância de quase 1 milhão de cópias em relação ao álbum #2, Staying at Tamara’s de George Ezra). A música “This Is Me”, cantada por Keala Settle, foi o quarto maior single do ano no país.

A trilha de “The Greatest Showman” também foi o álbum mais vendido de 2018 na Austrália e o álbum internacional mais vendido no Japão. Além disso, durante a temporada natalina, um novo CD, com artistas como P!nk, Kesha, Panic! at the Disco e Kelly Clarkson reinterpretando as músicas do filme, também foi bem recebido.

O sucesso do filme serviu de trampolim para consolidar a estrela do longa, o ator Hugh Jackman, como uma sensação capaz de lotar estádios. Ao longo de 2019, Jackman irá explorar sua faceta como showman e irá front o espetáculo Hugh Jackman: The Show que já tem 64 shows agendados nas maiores arenas da Europa, Reino Unido, EUA, Austrália e Oceânia. A agenda inclui 6 noites na gigantesca The O2 em Londres, 6 noites na Manchester Arena e três noites no Madison Square Garden em Nova Iorque.

“The Greatest Showman”: U$ 435 milhões
– Álbum mais vendido de 2018, com 5.4 milhões de cópias equivalentes.
– Único álbum a ultrapassar 1 milhão de unidades puras (sem streaming) nos EUA em 2018.
– Único álbum a ultrapassar 1 milhão de unidades no Reino Unido em 2018.
– #18 maior filme do ano nos EUA
– #4 maior filme do ano no Reino Unido
– #5 maior filme do ano na Austrália
– #6 maior filme do ano no Japão
– O CD spin-off “The Greatest Showman: Reimagined”, lançado em novembro de 2018, estreou no top 5 do Reino Unido (onde foi certificado Platina), Austrália e EUA.
– Impulsionado pelo sucesso do show, “Hugh Jackman: The Show” rodará América do Norte, Europa e Oceânia com 64 shows. No total, estima-se que 1 milhão de pessoas irão prestigiar a turnê.

+++

“The Greatest Showman” deu o ponta-pé inicial mas, depois dele, muitos outros sucessos musicais vieram. Em julho, “Mamma Mia: Here We Go Again” foi outro grande hit.

Diferente de Showman, o sucesso de “Mamma Mia 2” era mais do que assegurado. O filme narrava as aventuras de uma divertida mãe solteira, interpretada por Meryl Streep, e de sua filha adulta (Amanda Seyfried) nas paradisíacas praias da Grécia e tinha como ponto alto o fato de ser integralmente embalado por músicas do icônico grupo sueco Abba

Depois de arrasar nos palcos da Broadway e do West-End londrino, a adaptação cinematográfica, lançada em 2008, se tornou um dos musicais mais bem-sucedidos de todos os tempos. Por tanto, as expectativas para a continuação eram altíssimas.

“Here We Go Again” não conseguiu alcançar o sucesso histórico do antecessor. Enquanto o primeiro lucrou 605 milhões de dólares, o segundo ficou na casa dos 400 milhões. Mas, com uma produção que custou $75 milhões de dólares, foi, mesmo assim, um sucesso espetacular. A trilha sonora alcançou o topo das paradas no Reino Unido (onde alcançou Disco de Platina por 300 mil cópias vendidas) e na Austrália e chegou ao #3 nos EUA.

Um dos grandes chamarizes de “Mamma Mia 2” era Cher, que se juntava ao elenco estrelado encabeçado por Strip, Seyfried, Colin Firth e Pierce Brosnan. Surfando na onda do filme, a cantora lendária aproveitou para lançar um CD de covers da banda sueca, entitulado “Dancing Queen”.

Foi mais um exemplo de uma bem sucedida sinergia entre Hollywood e o mercado fonográfico. O álbum de Cher estreou em #3 nos EUA, com 153k cópias na primeira semana, a melhor estréia dela no país. No Reino Unido e na Austrália, o disco debutou em #2, dando a veterana artista seu maior pico nas paradas de CDs locais desde 1992 e 1989 respectivamente. Ela ainda embarcou na turnê solo Here We Go Again, com 67 apresentações em arenas da Austrália, Nova Zelândia, EUA, Reino Unido e Europa.

“Mamma Mia: Here We Go Again”: U$ 395 milhões
– 1.5 milhão de unidades vendidas da trilha sonora globalmente
– #4 CD mais vendido do ano no Reino Unido.
– #1 maior filme do ano na Suécia, Noruega e Finlândia.
– #2 maior filme do ano no Reino Unido.
– #11 maior filme do ano na Alemanha, #12 na Austrália.
– #26 maior filme do ano nos EUA
– Serviu de mote para o lançamento do álbum de covers da Cher, “Dancing Queen”, seu maior lançamento em décadas. A turnê do álbum, Here We Go Again, terá 63 datas na Oceânia, Reino Unido, Europa e América do Norte, com um total de 550 mil ingressos disponíveis.

+++

No dia 5 de outubro, “A Star Is Born” (Nasce Uma Estrela), que se tornaria um dos filmes mais comentados de 2018, teve sua estréia nos EUA. Apesar de não ser tecnicamente um musical, é óbvio que música é um componente essencial na narrativa do filme.

O terceiro remake de um longa de 1937, a produção foi anunciada pela primeira vez em 2011. Naquele então, Beyoncé iria estrelar junto a Leonardo DiCaprio sob a direção de Clint Eastwood.

Depois de anos sem andar para frente, perdendo as suas estrelas e diretor no processo, a produção finalmente engrenou em março de 2016, quando Bradley Cooper anunciou que iria protagonizar e dirigir o longa. Lady Gaga se juntou como co-protagonista em agosto daquele mesmo ano.

Diferente de “Showman”, muito do burburinho inicial de “A Star Is Born” foi relacionado a ótima recepção que o filme teve por parte dos críticos. O longa chegou a 90% de aprovação no Rotten Tomatoes. A direção de Cooper e a atuação dele e de Gaga foram exaltadas por praticamente todo mundo que viu o longa em festivais que precederem sua estréia oficial. Com todo o buzz positivo, “A Star is Born” teve uma estréia fantástica nos EUA, lucrando mais de 40 milhões de dólares no seu final de semana inicial.

De todos os filmes mencionados, “A Star Is Born” foi, de longe, o mais barato de se produzir (custando $30 milhões de dólares). Além disso, foi o único que foi promovido como um filme para um público mais maduro. Nos EUA, ele teve classificação etária R, proibido para menores de 17 desacompanhados (todos os demais tiveram classificação PG ou PG-13).

Nada disso serviu como obstaculo para seu estrondoso sucesso. Impulsionado pela ótima recepção crítica e pelo boca-a-boca, o filme lucrou $425.5 milhões de dólares globalmente. Como coroação final, ele foi indicado a 8 Oscares, incluindo Melhor Ator (Cooper), Melhor Atriz (Gaga), Melhor Filme e Melhor Música (“Shallow”). Ele levou o último.

“A Star Is Born”, que trata da história de amor entre um cantor country alcoólatra e uma popstar em ascensão, foi um verdadeiro divisor de água tanto na carreira de Cooper, em sua estréia como diretor, como na de Gaga, em sua estréia como atriz de cinema.

Apesar de ser um household name que ainda atrai bastante interesse, Lady Gaga estava em um momento difícil d. Depois de uma estréia meteórica em 2008, que rapidamente a consolidou como o maior fenômeno do mundo, ela começou a desinflar a partir do lançamento do seu segundo CD e estava encontrado dificuldades de encontrar seu nicho.

Depois do (relativo) fracasso do seu terceiro álbum, ela se reinventou como uma cantora de jazz e voltou ao pop em 2016, com Joanne. O CD ajudou ela a se estabilizar — ela fez uma turnê bem sucedida e headlined o Super Bowl e também o Coachella (substituindo Beyoncé, que adiou a participação por causa da gravidez). Mesmo assim, ela estava longe de obter resultados espetaculares e de se adaptar as mudanças da indústria com a chegada do streaming.

Mas “A Star Is Born” a elevou para outro patamar e colocou seu nome de volta no topo do A-list. Apesar de várias estrelas pop terem se aventurado no mundo cinematográfico nas últimas duas décadas, absolutamente nenhuma delas chegou perto do aclame alcançado por Gaga, que já emplacou uma indicação ao Oscar com seu primeiro grande papel.

A trilha sonora do filme também foi um gigantesco sucesso, sendo o terceiro álbum mais vendido de 2018 na Austrália e sétimo no Reino Unido. A música “Shallow” alcançou o #1 no Reino Unido, na Suécia e na Austrália (o primeiro chart-topper dela em ambos os países em quase 7 anos), além de ter alcançado #4 na França e #10 na Alemanha.

Levando em conta apenas unidades puras, a trilha sonora de “A Star Is Born” foi o segundo álbum mais vendido do ano nos EUA, com 700 mil cópias. Porém, mostrando a vulnerabilidade de Gaga na era streaming, o CD não figurou no top 10 uma vez que os números das plataformas digitais foram contabilizados.

Mas o sucesso do filme é tanto que até essa barreira da cantora ele está conseguindo furar. Logo depois da exibição do Oscar, e impulsionado por memes e pela repercussão da performance dos protagonistas durante a premiação, “Shallow” alcançou a #6 posição no Spotify dos EUA. Anteriormente, o melhor resultado de Gaga na plataforma tinha sido quando “A Million Reasons” atingiu a posição #25 logo depois de sua apresentação no Super Bowl de 2016. No ranking global, a canção chegou a posição #2.

A performance de “Shallow” no Academy Awards deu o que falar e gerou muitos memes.

Com o empurrãozinho do streaming — combinado com espetaculares vendas digitais e bom desempenho na rádio — “Shallow” alcançou o topo do Billboard Hot 100 dessa semana. É a primeira vez que Gaga atinge a posição desde que “Born this Way” estreou em primeiro nos EUA em fevereiro de 2011.

Também graças a repercussão dos Oscars, a trilha sonora voltou para o topo das paradas de vendas de álbuns nos EUA, onde o filme será relançado com 12 minutos extras. Ou seja, “A Star Is Born” ainda tem fôlego e, mais do que um filme bem-sucedido, ele marca o renascimento de Gaga como uma das maiores estrelas da atualidade.

“A Star Is Born”: U$ 425.3 milhões
– 2.5 milhões de unidades vendidas da trilha sonora globalmente.
– #13 maior filme do ano nos EUA.
– #11 maior filme do ano no Reino Unido.
– #8 maior filme do ano na Austrália.
– #2 CD mais vendido de 2018 nos EUA em pure sales
– #3 álbum mais vendido de 2018 na Austrália. #7 mais vendido no UK.
– “Shallow” foi o primeiro #1 de Lady Gaga nos EUA em 8 anos (e o primeiro de Bradley Cooper).
– “Shallow” também foi o maior hit global dela desde fevereiro de 2011.
– A música atingiu #1 no Reino Unido e Austrália, #3 no Canadá, #4 na França e #10 na Alemanha. Na parada global do Spotify, atingiu a posição #2, a melhor já obtida por uma música de trilha sonora e o melhor resultado obtido por Gaga na era de streaming.
– 8 indicações ao Oscar, incluindo vitória de Melhor Canção Original.

+++

“Bohemian Rhapsody” chegou algumas semanas depois do bem sucedido filme de Gaga e Bradley Cooper.

Assim como “Mamma Mia”, “Bohemian Rhapsody” se beneficiava do fato de ter como trilha sonora as músicas de uma das bandas mais amadas de todos os tempos, Queen. Diferente do filme estrelado por Meryl Streep, que tinha uma história original, “Bohemian” era um filme biográfico centrado no amado frontman da banda, Freddie Mercury. Além disso, assim como “A Star Is Born”, ele não era tecnicamente um musical (para isso, os personagens tem que começar a cantar espontaneamente e do nada) mas sim um filme com música (onde as canções estão inseridas em situações realistas).

O longa teve um caminho tortuoso até seu lançamento. Ele foi originalmente anunciado em 2010, com Sascha Baron Cohen no papel principal. Depois de três anos de desenvolvimento, Baron deixou o projeto por causa de diferenças criativas. Foram mais três anos tentando levantar o filme do chão até que, no fim de 2016, Rami Malek foi escolhido para o papel de Mercury e a produção voltou a andar.

Além da dificuldade para achar um protagonista, “Bohemian Rhapsody” ainda enfrentou outra gigantesca dor de cabeça: seu diretor. Bryan Singer, responsável por dezenas de filmes bem-sucedidos, foi afastado da produção quando o filme já estava quase concluído, em dezembro de 2017, pelo seu comportamento altamente tempestuoso. Além disso, a Fox, a distribuidora do filme, ainda estava preocupada com as dezenas de alegações de abuso sexual e assédio que o rondavam. No final das contas, apesar dele ter sido o de facto diretor, o nome dele foi apagado de quase todo o material promocional.

Apesar do tumulto, tudo foi perdoado quando “Bohemian Rhapsody” estreou e se provou, logo de cara, um gigantesco fenômeno de bilheteria. De maneira geral, as críticas foram bem mornas mas a atuação de Rami Malek foi universalmente elogiada. E, apesar de não empolgar tanto os profissionais, o aclame popular foi tanto que o filme foi um dos mais premiados durante a award season e recebeu 4 indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme. Malek acabou levando a estatueta de Melhor Ator para casa. Seguindo a cartilha promocional, o diretor Bryan Singer não foi mencionado por ninguém durante as cerimônias.

De todos os filmes de música de 2018, “Bohemian Rhapsody” foi o fenômeno mais universal. “The Greatest Showman” foi gigantesco porém seu sucesso fora de série ficou limitado a alguns mercados chaves importantes. Já “A Star Is Born” teve repercussão universal graças a música “Shallow” e os protagonistas mas os números de bilheterias foram espetaculares somente nos EUA e em outros mercados anglo-saxões. “Mamma Mia: Here We Go Again” foi particularmente grande na Europa Continental. O filme do Queen, por sua vez, foi enorme em todos os continentes, da América do Sul a Ásia.

O climax do filme é a recriação da legendária performance da banda no Live Aid de 1985 no Estádio de Wembley

Apesar do Greatest Hits do Queen ser um dos discos mais vendidos de todos os tempos (e o mais vendido da história no Reino Unido), a trilha sonora do filme, composta basicamente por canções já lançadas, também foi um sucesso.

“Bohemian Rhapsody” prova que, mesmo tendo se passado 27 anos desde sua morte, o poder de Freddie Mercury em comover multidões segue inigualável.

“Bohemian Rhapsody”: U$ 870 milhões de dólares
– #6 maior filme de 2018 no mundo.
– #10 maior filme de 2018 nos EUA.
– #1 filme do ano no Japão, na Espanha e na Itália. #2 filme do ano na Austrália. #3 filme do ano na Alemanha e na Coréia do Sul. #4 filme do ano no Reino Unido. #5 filme do ano na França.
– Com o sucesso do filme, várias músicas do Queen entraram no top 50 de streaming global. A trilha sonora vendeu mais de 1 milhão de unidades globalmente, apesar de dezenas de greatest hits do Queen já estarem disponíveis (e o primeiro deles ser um dos álbuns mais vendidos da história).
– Os integrantes vivos do Queen, junto com Adam Lambert como vocalista, anunciaram a Rhapsody Tour para 2019. Até o momento, só as datas dos EUA e no Canadá foram confirmadas: serão 25 shows, para mais de 300 mil pessoas. Datas adicionais na Europa, na Austrália, na Ásia e na América Latina devem ser anunciadas em breve.

+++

A questão é: 2018 foi um ano impar para filmes de música ou a consolidação de um gênero que seguirá rendendo bons frutos em 2019?

É uma pergunta bem difícil de se responder mas será muito difícil reproduzir os fenômenos do ano passado. Mesmo assim, os grandes estúdios terão várias apostas musicais.

Os maiores lançamento de todos serão, sem duvida nenhuma, “Frozen 2” (previsto para 27 de novembro) e “O Rei Leão” (19 de julho), ambos propriedades bilionárias da Disney e franquias bem sucedidas. “Let It Go”, a música do primeiro Frozen, foi um fenômeno sem igual e o desafio da segunda parte é conseguir emplacar um hit que se aproxime disso. Já a adaptação de computação gráfica de “O Rei Leão” terá as músicas já amadas do original animado, compostas por Elton John, e trás as estrelas musicais Donald Glover (a.k.a. Childish Gambino) e Beyoncé nos papéis principais.

E falando em Elton John, a grande aposta de filme biográfico de 2019 é “Rocket Man”, que conta a história do lendário artista britânico. Taron Egerton interpretará o músico sob a direção Dexter Fletcher, que substituiu Singer na direção de “Bohemian Rhapsody”. Será que um filme embalado pelos clássicos de Elton John conseguirá comover tanto o público quanto os filmes do Queen e do Abba? A estréia está prevista para 31 de maio e o longa faz parte da despedida de Elton, que estará se aposentando depois da conclusão da sua turnê Farewell Yellow Brick Road, prevista para durar de 2019 até 2021.

Outra aposta é o projeto dos premiados diretores Danny Boyle (Trainspotting, Slumdong Millionaire) e Richard Curtis (Love, Actually; Notting Hill), “Yesterday”. Estrelando o novato Himesh Patel, o filme conta a história de um músico que se dá conta que ele é a única pessoa do mundo que lembra dos Beatles. A produção ainda contará com uma participação especial de Ed Sheeran. O filme será lançado dia 13 de setembro.

Finalmente, o musical de Andrew Lloyd Weber, “Cats”, também será adaptado para as telonas em um filme com um elenco robusto que inclui, entre muitos outros, Taylor Swift, Idris Elba, Rebel Wilson, Dame Judi Dench, James Corden e Ian McKellen.

A sinergia entre Hollywood e a indústria fonográfica trouxe muito dinheiro no ano passado. Se depender da vontade dos executivos e das gravadoras, foi apenas o começo. Porém não depende: nesse caso, a vontade soberana é do público. Os próximos meses vão nos mostrar se a mescla de cinema com música voltara a cativa-los.

Causando no Japão: o sucesso histórico de Kimi no Na Wa/Your Name

kiminonawa2

Essa semana, a animação Kimi no Na Wa, traduzida como Your Name para o mercado ocidental, completa 6 meses no top 5 das maiores bilheterias da semana do Japão. Desde sua estreia, em agosto de 2016, o filme segue movimentando número recorde de pessoas para as salas de cinema. Ainda com fôlego impressionante, já foram vendidos 18.35 milhões de bilhetes, deixando mais de 24 bilhões de ienes (U$230 milhões) no box office do país oriental. Um resultado histórico.

No Japão, um filme é considerado um blockbuster quando ele alcança a marca de 5 bilhões de ienes (cerca de U$40 milhões). Mas, em raras ocasiões, um longa pode virar um fenômeno social, atraindo pessoas de todas as idades e virando onipresente no panorama pop japonês. Quando isso acontece — como foi o caso de Frozen em 2014 ou Titanic em 1997 — o céu é o limite.

Até o momento, Kimi no Na Wa é o quarto filme com maior recorde de público e de arrecadação na Terra do Sol Nascente. A expectativa é que, até o final da sua trajetória, ele chegue pelo menos ao terceiro lugar. Os possíveis alvos a serem desbancados são a animação da Disney, Frozen (a segunda maior bilheteria da história); Titanic (que, por enquanto, o supera em arrecadação) e o filme de 1965, Tokyo Olimpiad (que o supera em número de ingressos vendidos). Ultrapassar A Viagem de Chihiro, o filme de 2004 do Studio Ghibli que é o único a ultrapassar 30 bilhões de ienes arrecadados no Japão, é uma meta bastante improvável porém não impossível.

Independentemente da sua performance no Japão, o desempenho espetacular do longa na China (mais de U$80mi) e na Coreia do Sul (U$30mi) já fez com que a obra de Makoto Shinkai se consolidasse como o longa japonês com maior arrecadação da história a nível global: U$ 320 milhões de dólares. E o número não para de crescer.

Kimi No Na Wa trata sobre dois adolescentes — uma garota num vilarejo no campo e um rapaz de Tóquio — que, misteriosamente, começam a trocar de corpo nas semanas que antecedem a passagem de um raro cometa pelo Japão. Essa singela história — com alguns elementos já bastante conhecidos — acabou se transformando num sucesso histórico. O que ajudou a fazer com que esse filme se destacasse de maneira tão contundente?

Contendo as expectativas

Em 2014, Hayao Miyazaki, o proprietário e principal criador do Studio Ghibli, anunciou sua aposentadoria. Considerado o maior mestre da animação japonesa — e uma força sem igual nas bilheterias do país — a notícia causou muito burburinho e, rapidamente, começaram as especulações acerca de quem seria capaz de preencher um pouco a lacuna gigantesca que seria deixada. O nome mais óbvio: Momoru Hosoda.

As animações de Hosoda — A Garota Que Conquistou O Tempo (2006) e Summer Wars (2009) — obtiveram bilheterias discretas mas alcançaram grande repercussão graças aos DVDs e subsequentes emissões na TV paving the way para seu filme de 2012, Wolf Children, se tornar um notável sucesso de bilheteria. Seu lançamento de 2015, O Rapaz e o Monstro, teve grande apoio de marketing e ultrapassou a marca de 5 bilhões de ienes arrecadados, algo raro para uma animação japonesa que não faz parte de uma propriedade já conhecida ou não tem assinatura Ghibli.

Mas, enquanto os olhos estavam em Hosoda, o wild card era, na verdade, Makoto Shinkai. Um premiadíssimo diretor e roteirista de animações, Shinkai obteve respaldo crítico e sucesso de nicho com seus filmes anteriores — como 5 Centimeters Per Second — mas, diferente do outro, nunca tinha chegado perto de um sucesso mainstream.

Esse fato fez com que muitos contivessem as expectativas em relação ao que era, sem duvida nenhuma, sua obra com maior apelo popular, Kimi no Na Wa. Em entrevista para o Hollywood Reporter, o produtor do filme, Genki Kawamura, afirmou que eles esperavam uma bilheteria bem modesta: “[o filme anterior de Shinkai] Garden of Words lucrou 150 milhões de ienes [o longa foi exibido apenas em 23 salas] então nós achávamos que, na melhor das hipóteses, lucraríamos 10 vezes isso”.

Na minha opinião, a frase de Kawamura contém muito da modéstia que é considerado etiqueta básica no Japão e, quase sempre, carrega uma pitada de insinceridade. Enquanto não tenho duvidas de que ninguém esperava que o filme fosse se tornar a maior bilheteria da história do cinema japonês, a verdade é que o marketing polpudo que o filme recebeu indicava que a Toho — a gigantesca distribuidora da animação — esperava mais do que 1.5 bilhão de ienes na bilheteria.

Para começar, assim como os filmes de Miyazaki e de Hosoda, Kimi No Na Wa teve a emissora NTV — uma das quatro principais redes privadas do país — como parceira de promoção, enchendo sua programação de reportagens acerca do filme que destacavam a animação excepcional, o premiado diretor e demais aspectos que poderiam atrair o público.

Além disso, numa promotional partneship bem significativa, a água mineral mais vendida do país — Suntory Tennensui — colocou os protagonistas do longa em seus anúncios televisivos a serem exibidos ao longo do verão. Os personagens também estamparam uma campanha imprensa da JR East — a maior empresa rodoviária do Japão — que promovia o turismo em Tóquio.

Até a popular banda Radwimps — que ficou responsável pela trilha sonora da animação — se jogou de cabeça na promoção. Com 13 anos de atividade e diversos discos de Platina, o grupo sempre evitou aparecer na TV mas, para promover a trilha sonora, aceitaram fazer uma primeira aparição no icônico Music Station, o mais importante programa musical da TV japonesa. Eles cantaram Zen Zen Zense.

Era impossível prever a proporção que o filme alcançaria mas estava claro que a Toho tinha confiança de que tinham algo especial em mãos.

As chaves do sucesso

kiminonawa1

No Japão — mais ainda do que na maior parte dos outros mercados — o boca a boca é enormemente importante para fazer com que um filme bombe. Nem o marketing mais exaustivamente onipresente é capaz de transformar um longa em grande sucesso se ele realmente não despertar o interesse do público.

Sendo assim, apesar da campanha muito bem efetuada de Kimi No Na Wa, o verdadeiro motivo do seu sucesso foi que ele struck a chord com a sociedade japonesa de uma maneira que pouquíssimos filmes são capazes de fazer.

As chaves para o sucesso sem precedentes são muitas mas começam, claro, pelo fato de que o Japão é um mercado bastante receptivo para animações. Os filmes do Studio Ghibli, por exemplo, não tem como foco principal crianças e sim pessoas de todas as idades. Muitos filmes da Disney — como Frozen, por exemplo — devem a sua popularidade não apenas ao público infantil mas também a mulheres de diferentes gerações que lotaram as salas de cinema por meses.

Enquanto muitas das propriedades animadas do Japão — como Pokemon e Yokai Watch — são focadas em crianças pequenas, muitas das franquias mais lucrativas — como Detetive Conan, Evangelion e One Piece — são direcionadas a jovens e adultos.

Sendo assim, Kimi No Na Wa nunca foi rotulado como “filme de criança” só pelo fato dele ser animado. Muito pelo contrário: seu apelo foi, de imediato, intergeracional, atraindo famílias, adolescentes e adultos.

Existem vários motivos que nos levam a entender o apelo imediato, a começar pela sua fantástica animação que recriou Tóquio em seus mais mínimos detalhes, além dos cenários lindos, típicos do interior do país. O filme homenageia a capital — com recriações idênticas de paisagens urbanas — mas também a vida provinciana, retratando costumes dos pequenos vilarejos locais.

Outro elemento foi a música: as canções do Radwimps — usadas extensivamente nos anúncios televisivos e nos trailers — caíram de imediato no gosto do público, ajudando a colocar o filme no imaginário popular.

Mas, acima de tudo,  a história — bastante melancólica, cheia de simbolismos e eventos que refletem bastante a realidade, os anseios e as tradições da sociedade japonesa — era certeira, tocando o coração do público nipônico de maneira que poucos longas-metragens são capazes de fazer.

Logo na primeira semana, em agosto, o filme já registrou uma bilheteria enorme, acima de qualquer expectativa. E seis meses depois, ele continua forte e já excedeu absolutamente todas as expectativas.

Tudo dominado

O sucesso de Kimi No Na Wa foi completamente multimídia: além de ser líder total de bilheteria no Japão, a música tema do filme, Zen Zen Zense, está próxima a alcançar 1 milhão de unidades vendidas, sendo o maior sucesso do ano. Outras 5 músicas da trilha já obtiveram certificação de platina. A trilha sonora completa, toda composta pelos RADWIMPS, passou semanas em primeiro lugar, com mais de 500k unidades comercializadas. O livro mais vendido de 2016? A novela do filme, escrito pelo próprio diretor e roteirista, que vendeu 1.2 milhão de cópias, mais do que o dobro do segundo colocado.

Sendo assim, a animação alcançou o topo das bilheterias, das paradas musicais e dos livros mais vendidos.

Os resultados obtidos foram tão espetaculares que Kimi No Na Wa foi apontado como o principal motivo para que 2016 fosse um ano histórico para o mercado cinematográfico japonês que bateu recorde de arrecadação (235.5 bilhões de ienes, cerca de U$2.25 bilhões) e teve a maior quantidade de ingressos vendidos desde 1974 (180 milhões).

O único percalço no caminho da animação foi que, provavelmente por ter uma distribuidora relativamente pequena nos EUA, ele não conseguiu uma indicação como Melhor Animação ao Oscar. Isso, claro, multiplicaria infinitamente sua projeção no Ocidente e também acrescentaria milhões a sua arrecadação no Japão.

Mas, apesar disso, o filme teve excelente resultado em suas early screenings na Europa e, claro, tem quebrado todos os recordes na Ásia. Também recebeu indicações recordes no Japan Academy Prize, que tem grande importância no mercado local. E, premiações aparte, o sucesso dele junto ao público é indiscutível e histórico.

Sucessor do Ghibli

Mas retornando ao tópico lá de cima sobre quem seria o sucessor de Hayao Miyazaki: a resposta é que, provavelmente, ninguém. Não só porque o papel histórico de Miyazaki é único mas também porque o próprio já parece ter voltado atrás.

Já é de conhecimento público que Hayao trabalha em uma nova animação que deve ser anunciada publicamente em breve. Não é a primeira vez que o mestre desiste da aposentadoria: nos anos 90, ele também se despediu, para voltar, em 1997, com o record breaking Princesa Mononoke.

A diferença é que, dessa vez, o criador do Studio Ghibli terá outro animador, Makoto Shinkai, capaz de atrair multidões tão significativas quanto ele, um fato, até então, inédito.

Nessa competição todo mundo deverá sair ganhando.

Causando na Argentina: um aterrorizante Clan domina as bilheterias do país

  • Na Argentina, o filme El Clan está batendo todos os recordes alcançados por Relatos Selvagens ao longo do ano passado. Enquanto o filme de Damian Szifrón — a maior bilheteria de um filme local na história do país, com mais de 3.4 milhões de ingressos vendidos — demorou 11 dias para superar a barreira de 1 milhão de espectadores, El Clan chegou a marca em apenas nove. A estréia do filme superou em mais de 10% o primeiro final de semana de Relatos Selvagens e levou 505 mil espectadores ao cinema (53% de todo o público naquele final de semana).
  • O filme de Pablo Trapero conta a história real do clan Puccio, um caso que fascinou e aterrorizou a Argentina em meados dos anos 80. Os Puccio pareciam uma típica família de classe alta do idílico e afluente bairro de San Isidro, na Grande Buenos Aires. Mas, por detrás da faixada de família perfeita, escondia-se um grupo de criminosos que, entre 1982 e 1985, sequestrou quatro pessoas e, apesar de ter recolhido os resgates, matou três das vítimas. A aterrorizante história é um dos casos policiais mais assustadoramente celebres do país vizinho e, trinta anos depois, segue gerando repercussão.
  • Guillermo Francella, que interpreta Arquimedes Puccio, patriarca da família e a mente por detrás dos crimes, foi vital para transformar El Clan num dos filmes mais esperados do ano. Francella é um dos maiores nomes na Argentina, um sucesso tanto na TV quanto no cinema. Apesar de ser mais fortemente associado a comédia, o ator tinha surpreendido com seus dotes dramáticos em El Secreto de tus Ojos, filme de 2009 que levou o Oscar de Melhor Filmes Estrangeiro e que, até ser superado por Relatos no ano passado, detinha o recorde de maior bilheteria de um filme local. Para El Clan, Francella passou por uma extrema transformação e, através de maquiagem pesada e próteses, sua fisionomia foi drasticamente alterada para transformá-lo num sósia do famoso sequestrador. O resultado foi tão assombrosamente perfeito que, meses antes da estréia, o longa já era assunto por todo o país e o trailer já tinha acumulado milhões de visualizações.
  • Além de Francella, o filme tem Peter Lanzani, um ex-teen idol e protagonista de novelas adolescentes, no papel de Alex Puccio, o filho mais velho que, além de sequestrador e assassino, era um exímio jogador de rugby (um esporte muito popular entre a classe alta portenha).
  • Assim como Relatos Selvagens, o longa foi co-produzido por Pedro Almodovar e pela Telefe, uma das maiores emissoras do país, o que garantiu uma promoção intensa (o canal também esteve por detrás de O Segredo de seus Olhos). A direção é de Pablo Traperos, que, apesar de bastante aclame (Carancho, seu filme de 2010, foi indicado ao Oscar de Filme Estrangeiro), nunca tinha dirigido um blockbuster. Seu último filme, Elefante Blanco, lançado em 2012 e estrelando Ricardo Darín, alcançou 800 mil ingressos vendidos, um resultado bastante digno para um filme local mas que El Clán superou em pouco mais de uma semana.

  • A Telefe, a emissora por detrás do filme, quer lucrar ao máximo com o revivido interesse na história. Por isso, além do filme, o canal também exibirá uma mini-série de 13 episódios, Historias de un Clán. A estréia está prevista para esse mês e o elenco conta com a prestigiosa atriz Cecilia Roth no papel da matriarca, Epifania, e El Chino Darin, filho de Ricardo, no papel de Alex, o filho mais velho. Arquimedes será interpretado por Alejandro Awada.
  • A mini-série, produzida pela Underground, uma das produtoras de confiança da Telefe, estréia com o objetivo de levantar a audiência da emissora que, no momento, está levando uma surra do Canal 13 que domina o horário nobre com o fenômeno turco Las Mil y una Noches.

O Ano De Ouro Da Universal (Parte 2)

Parte 1 aqui

Em seus 103 anos, a Universal Pictures nunca tinha tido um filme sequer que superou a casa do bilhão de dólares. Até o fim de 2015, o estúdio terá três. Além disso, em apenas 7 meses, a gigante de Hollywood quebrou o recorde histórico de maior arrecadação nas bilheterias, com mais de 5.55 bilhões de dólares em ingressos vendidos. Mas como o estúdio teve um ano tão espetacular? É essa a pergunta que tentaremos responder ao longo de 2 posts.

Na Parte 1, analisamos os grandes sucessos (e os poucos fracassos) do estúdio ao longo do primeiro semestre e, na parte final, veremos os acertos dos últimos dois meses e também o que a Universal tem preparado para os quatro meses finais de 2015.

Julho: A Revolução Será Amarela

Bilheteria até o momento: U$ 969.836.943

minions

Em 2010, a Universal estreou no lucrativo mercado da animação 3D com Despicable Me. O filme lucrou 543 milhões de dólares, um resultado extremamente satisfatório. Em 2013, a continuação do filme alcançou 970 milhões e virou a quarta maior bilheteria de animação da história (e o único não-Disney no top 5). Apesar de serem meros coadjuvantes, os Minions — os engraçados mascotes amarelos — foram a verdadeira sensação do filme.

O carisma deles significou bilhões de dólares para a Universal, que os transformou numa verdadeira mina de ouro em licenciamento. Tudo que envolvia os personagens vendia como água e tudo e todos queriam se associar a eles. Obviamente, a evolução natural das coisas era dar aos Minions o estrelato que eles mereciam. E foi isso que aconteceu em julho de 2015, quando Minions — estrelando Kevin, Stuart e Bob — se tornou o maior lançamento animado da história. E, ao que tudo indica, o filme se transformará no terceiro billion-dollar juggernaut do estúdio esse ano (que, até 2015, vale lembrar, não tinha nenhum).

minionsmarketing3
Os Minions invadem outdoors mundo afora (na foto, Toronto, no Canadá)

Ao em vez de optar por uma estreia simultânea global, a Universal escolheu um lançamento sucessivo para Minions, de maneira a coincidir com as férias escolares em cada mercado. O filme começou sua trajetória no fim de junho na Austrália, na Malásia, na Indonésia e em Singapura. Na semana seguinte, a animação chegou em mais 9 países, incluindo o Brasil e o Reino Unido. Nas vésperas da estreia nos EUA, na segunda semana de julho, o filme já tinha ultrapassado 200 milhões de dólares na bilheteria global. Minions foi o lançamento mais lucrativo para um filme animado em 29 países, incluindo o Brasil. Nos EUA, a bilheteria de estreia — U$115.7 milhões — foi maior do que a de Toy Story 3. O filme tem sido um sucesso gigantesco até em mercados pouco receptivos, como Japão, um país onde nenhuma animação 3D internacional não-Disney obteve lucro considerável. Em apenas três semanas, o Japão já é o sexto maior mercado global para o filme, com arrecadação de mais de 26 milhões (nota do André: como vocês podem notar, o departamento de marketing da Universal no Japão é bem bom. E o fato de que existe um parque Universal Studios no país, na cidade de Osaka, que é um grande sucesso, também ajuda).

Até o momento, o filme já arrecadou 969.8 milhões de dólares. E sim, ele vai passar a casa do bilhão porque ele ainda tem um gigantesco trunfo: a China, onde o filme tem estreia prevista para setembro. O filme também ainda não estreou na Itália, outro mercado importante, e chegou na Coreia do Sul e no Japão faz apenas três semanas. Até o momento, os únicos dois filmes animados que ultrapassaram 1 bilhão de dólares arrecadados foram Frozen e Toy Story 3, ambos da Disney. Até agora, os maiores mercados dos Minions são os EUA (U$315mi); o Reino Unido (U$67.6mi); a Alemanha (U$55.9mi); o México (U$44mi); a França (U$39mi); o Brasil (U$37mi); a Argentina (U$35mi) e a Rússia (U$31mi).

Apesar das estrelas serem os Minions, os personagens humanos do filme foram dublados por astros reconhecidos. A grande antagonista, Scarlett Overkill, teve a voz de Sandra Bullock, uma das atrizes de Hollywood com o box office record mais impecável dos últimos anos. O marido da personagem, Herb, foi dublado por Jon Hamm enquanto Steve Carrel fez a voz de Gru. Grandes comediantes britânicos — Steve Coogan e Jennifer Saunders — também participaram do elenco.

Sandra Bullock se rendeu a febre dos Minions na pré-estreia do filme
Sandra Bullock se rendeu a febre dos Minions na pré-estreia do filme

Para as dublagens internacionais, a Universal tentou recrutar estrelas locais do mesmo porte. Marion Cotillard, por exemplo, deu voz a Scarlet na versão francesa do filme enquanto seu marido na vida real, Gillaume Canet, dublou Herb. O mesmo se repetiu no Brasil, com Adriana Esteves e Vladimir Brichita assumindo os personagens. Na América Latina, a estrela Thalia substituiu Bullock enquanto Ricky Martin fez a voz do personagem masculino. Para o papel de Gru, foram chamados humoristas locais famosos: Leandro Hassum no Brasil; Gad Elameh na França e o mexicano Andres Bustamente. Nomes consagrados também dublaram os personagens na Alemanha, na Itália e no Japão.

Minions foi o maior promotional push da história da Universal. Foram centenas de milhões de dólares investidos em outdoors em todas as principais cidades do mundo e os Minions ainda cobriram ônibus e trens em grandes metrópoles. Mas a Universal economizou bastante com dezenas de promotional partnerships. Dez empresas colocaram os personagens em seus anúncios de TV, incluindo a SKY BSB no Reino Unido; o Carrefour na França e o smartphone VIVO na China. Globalmente, os mascotes invadiram o McDonald’s, que ofereceu uma batata especial no formato dos personagens e brindes no McLanche Feliz; os cereais da General Mills e os da Nestlé; as bananas Chiquita; as balas Haribo; os chocolates Kinder Ovo e os pacotes da pastilha Tic-Tac. As encomendas da Amazon, a maior loja online do planeta, chegaram no mundo inteiro em caixas amarelas promovendo o filme. A Walmart, a loja física de varejo mais poderosa do mundo, também ajudou no marketing e ofereceu centenas de produtos exclusivos. Os Minions ganharam sua própria paleta PANTONE e apareceram nas balas Fruitsnackia e em todos os doces da CandyMania, nos sucos e iogurtes Mott’s e também nos iogurtes Go-Gurt; nos bolinhos Twinkies; nos papéis toalha Bounty; nos lenços de papel Puff’s e em mais outras centenas de promoções personalizadas mundo afora. Isso sem contar os milhares de produtos licenciados que incluem gravatas, aromatizadores de carro, canudos e ganchos de cortina de chuveiro (juro).

Nos EUA, a promoção televisiva incluiu um anuncio especial para o Superbowl (visto por mais de 114 milhões de pessoas); um takeover do programa matinal latino Despierta America e um comercial especial para a ESPN onde o Minion Bob aparecia ao lado dos astros do basquete Steph Curry e Klay Thompson.

… e, de um trainwreck, nasce uma estrela

Bilheteria até o momento: U$ 122.284.000

trainwreck

Como contei na coluna On My Radar, já faz um tempinho que sou fã de Amy Schumer. Ao longo do último ano, porém, pude ver ela ascender a outro patamar e se transformar numa celebridade enormemente reconhecida. Ela foi escolhida Women of the Year pela revista Glamour e apareceu na capa da revista e de outras publicações de enorme importância como GQ e Entertainment Weekly. Ela foi escolhida como uma das 100 Pessoas Mais Influentes do Mundo pela revista Time e apresentou o MTV Movie Awards. O seu programa de TV, Inside Amy Schumer chegou na terceira temporada batendo recordes de audiência e vários sketches — como a paródia de Friday Night Lights; o julgamento de Bill Cosby e Last Fuckable Day — tiveram enorme repercussão e foram muitíssimo elogiados.  O timing de tudo isso não poderia ter sido mais perfeito, leading up to the debut do seu primeiro grande filme, em julho. Trainwreck, o filme em questão, foi estrelado e escrito por ela e dirigido por Judd Apatow.

Apatow, o influente diretor — por de trás de comédias como O Virgem de 40 Anos e Knocked Up — e produtor — de filmes como Bridesmaids; Superbad e das comédias televisivas Girls e Freaks & Geeks — apostou forte em Schumer e em seu projeto, viabilizando a produção do longa. A pré-produção começou em janeiro de 2014 e as filmagens em maio. Bill Hader foi escolhido como o co-protagonista e Tilda Swinton, Vanessa Bayer e LeBron James foram casted em papéis chaves.

Em março, o filme foi muito bem recebido na sua estreia oficial no festival SXSW em Austin. Isso, aliado a toda a empolgação em torno de Schumer na mídia, fez com que o estúdio esperasse uma abertura boa, na casa dos 20 milhões. Seria um ótimo resultado para uma comédia adulta focada no público feminino, estrelando uma comediante ainda relativamente iniciante. Mas, apesar das expectativas já serem otimistas, o resultado final as excedeu bastante: 30 milhões de dólares.

Os números confirmaram mais um acerto da Universal e o opening catapultou Schumer direto para a A-list, com muitos apostando que ela poderá ser uma nova Melissa McCarthy, atualmente a estrela de comédia mais rentável dos EUA, que capitaneia anualmente filmes de enorme sucesso no mercado doméstico. O notável é que a estreia de Trainwreck superou a do último filme de Melissa, Spy. Uma pesquisa da Rentrak, encomendada pela Universal, revelou que 28% das pessoas que foram ver o filme em seu final de semana de estreia tinham como principal motivação o fato de serem fãs de Schumer, um número bastante alto.

O sucesso de Trainwreck comprova a enorme demanda por comédias adultas femininas, algo que ficou bastante claro para Hollywood depois do gigantesco sucesso de Bridesmaids, lançado em 2011 e também distribuído pela Universal. Porém, apesar do grande sucesso desses filmes nos EUA, os estúdios não costumam investir na distribuição e promoção deles internacionalmente. Especula-se que isso mudará com o reboot de Ghostbusters em 2016, que estrelará um elenco integralmente feminino (o filme da Sony reunirá muitos nomes envolvidos em Bridesmaids como Kristen Wigg, McCarthy e o diretor Paul Feig) mas, enquanto isso, o filme de Schumer ainda sofre de certa dificuldade para ser notado internacionalmente. Seu lucro total até o momento é de 122 milhões de dólares, dos quais 98mi foram nos EUA. O rendimento internacional deve aumentar nas próximas semanas, porém, já que o filme acaba de ser lançado na Europa — incluindo no Reino Unido, onde recebeu um fortíssimo marketing push — nesse final de semana. No Brasil, o longa, que se chamará Descompensada (eu particularmente adorei a tradução), chega no fim de setembro.

Agosto: Fuck the police

Bilheteria do final de semana de estreia: US$ 60.200.000

compton

Na primeira semana de agosto, faltando cinco meses para o fim do ano, foi anunciado que a Universal tinha alcançado o faturamento recorde de 5.54 bilhões de dólares. Já dava para pendurar as chuteiras e entrar de férias. Mas não, ainda havia hits em potencial prontos para estrear. Em agosto, mais uma aposta da Universal — o filme Straight Outta Compton overperformed espetacularmente. Com um orçamento de 26 milhões de dólares, esperava-se que ele estreasse na casa dos 20 ou 30 milhões. Ele acabou arrecadando 60.2 milhões de dólares em seu primeiro final de semana nos EUA e no Canadá, superando os lucros de estreia tanto do último filme da Marvel quanto do último Missão Impossível.

Straight Outta Compton conta a história real do grupo de hip-hop N.W.A., um dos primeiros grupos de gangsta rap que, no final dos anos 80 e começo dos 90, vendeu milhões de cópias e revelou nomes como Dr. Dre e Ice Cube. A julgar pelo público no final de semana de estreia, o apelo do filme foi multigeracional: 51% do público tinha mais de 30 anos e 49%, menos. A divisão de sexo também foi bem democrática: 52%  foi feminino, 48% masculino. A maior parte dos espectadores eram negros — 46% — mas brancos — 26% — e hispânicos — 21% — também apoiaram a produção em massa. O mercado mais forte foi Los Angeles, o berço do grupo, mas o filme também overindexed em San Francisco; em cidades do sul como Atlanta, St. Louis e Baltimore e até na rica Palm Springs, na Florida. O filme ainda teve uma nota ‘A’ no Cinemascore, o que indica longevidade graças ao boca a boca.

O filme foi apoiada com uma efetiva e bem executada estratégia de marketing, a começar pela campanha viral StraightOuttaSomewhere.com. Na página, qualquer um pode fazer sua própria versão do logo do filme, substituindo Compton por sua cidade de origem (ou qualquer outra palavra). O stamp criado no site pode ser sobreposto em uma foto de sua escolha. O site foi um fenômeno, com mais de 6 milhões de imagens criadas. A campanha foi o assunto mais comentado no Facebook, Twitter e Instagram por dois dias consecutivas, dando origem a milhares de memes e seduzindo até celebridades, como J.Lo, Bette Midler e Demi Lovato, que também se renderam a brincadeira.  Na semana anterior ao lançamento do longa-metragem, Dr. Dre lançou Compton, seu primeiro CD em 14 anos. O álbum vendeu 295 mil unidades nos EUA e também estreou em primeiro lugar no Reino Unido, ajudando a criar ainda mais expectativas em relação ao longa.

Os headphones e equipamentos de som da Beats by Dr. Dre — responsáveis por deixar o rapper bilionário — são provavelmente os product placements mais onipresentes da indústria, fazendo aparição em basicamente todos os vídeo clipes e filmes lançados nos últimos anos. E já que os produtos estão presente em basicamente todo lugar, é natural que eles tivesse papel de destaque na promoção do filme sobre a história de seu criador. A empresa, junto com sua parent company, a Apple, teve papel chave na promoção do filme. O CD Compton estreou na integra na Beats1, a rádio de Dre no serviço de streaming recém-lançado Apple Music. O álbum foi disponibilizado exclusivamente no serviço e na loja virtual da companhia, iTunes. A Beats também estava por detrás do fenômeno viral StraightOuttaSomewhere.com. Já a Interscope, a gravadora do N.W.A. e de Dre, contratou um avião para escrever a palavra COMPTON no céu de Los Angeles e San Francisco e as fotos do stunt também viralizaram nas redes sociais.

Como é costume, spots — em 27 versões — invadiram a TV americana antecedendo a estreia do filme. Na semana de lançamento, os comerciais foram exibidos 975 vezes, principalmente na BET e em emissoras jovens como Comedy Central (incluindo no muitíssimo aguardado episódio final do Daily Show with Jon Stewart) e MTV. O logotipo do filme também estava presente no ringue da luta da UFC em que Ronda Roussey knockeou Bethe Correia em 36 segundos.  Sem duvida nenhuma, porém, o anuncio mais chamativo foi ao ar na FOX News, no dia 6 de agosto, durante o debate presidencial dos candidatos à presidência do partido conservador Republicano (que, com 24 milhões de espectadores, se consolidou como o programa mais visto da história da TV a cabo americana). O spot de 1 minuto foi ao ar imediatamente depois em que os candidatos passaram exatos 30 segundos discutindo o tema Race Issues (questões raciais).

Race issues é, obviamente, um tema que merece muito mais do que 30 segundos de discussão num debate presidencial. Nos últimos anos, a quantidade de jovens negros inocentes assassinados pela policia americana ganhou repercussão nacional e gerou riots históricos na cidade de Ferguson (em 2014) e em Baltimore (em 2015). O tema não só é extremamente relevante em 2015 como também era enormemente presente no fim dos anos 80/começo dos anos 90. Em 1992, o espancamento do motorista negro Rodney King e absolvição dos policiais envolvidos causou um distúrbio de 6 dias no sul de Los Angeles (onde Compton fica), deixando 52 mortos e um prejuízo de mais de 1 bilhão de dólares. O episódio, claro, faz parte de Straight Outta Compton e brutalidade policial sempre foi um tema presente nas canções do N.W.A. (cujo um dos maiores hits, vale lembrar, se chama Fuck the Police).

Compton invade o céu de Los Angeles
Compton invade o céu de Los Angeles

Com uma estreia espetacular e um ‘A’ no CinemaScore, Straight Outta Compton irá rapidamente cruzar a barreira dos 100 milhões e, nos EUA, o céu é o limite. O filme não terá nenhuma dificuldade de ultrapassar o último blockbuster do mundo do rap, 8 Mile. Em 2003, o longa do Eminem arrecadou 116.75 milhões domesticamente. É bem provável que o longa supere também os $150.6mi de Walk the Line, baseado na história de Johnny Cash, e se transforme no biopic de música mais bem-sucedido da história do país.

Internacionalmente a trajetória do filme provavelmente será mais complicada. Com um tema muito local, alguns mercados — Ásia e América Latina — não deveriam contribuir muito para o lucro final do filme. Em 2003, 8 Mile foi um gigantesco sucesso global — lucrando mais de 126 milhões fora dos EUA (e 242.9 mi no total, o music biopic com maior bilheteria da historia) — mas Eminem, naquele então, era um dos maiores astros do mundo. O sucesso do N.W.A. não só foi há quase três décadas como também foi muito especifico aos EUA. De qualquer maneira, o filme tem bastante potencial na Europa, principalmente no Reino Unido e na França, países onde o rap americano é bastante popular. A Austrália também pode ser outro mercado receptivo.

De qualquer maneira, com os resultados espetaculares obtidos em casa, qualquer ganho adicional mundo afora é um extra.

O que vem por ai…

Com recorde histórico de arrecadação depois de 7 meses, está mais que óbvio que o ano já está ganho para Universal. Mas ainda faltam 4 meses até 2016 e o estúdio ainda tem nove lançamentos até dezembro. Não há mais nenhum blockbuster bilionário no estilo Jurassic Park/Minions/Furiosos 7 previsto e, é verdade, a companhia apostou todas as suas fichas fortíssimas e garantida nos primeiros 7 meses do ano mas ainda há futuros lançamentos cujos sucessos são muito possíveis (e quem sabe algum outro que possa surpreender a la Compton?).

Um deles é Steve Jobs, sobre a vida do criador da Apple, com roteiro do premiadíssimo Aaron Sorkins e baseado no best-seller global de Walter Isaacson. O longa foi super disputado por todos os estúdios (prova disso são os e-mails vazados entre Amy Pascal, diretora da Sony, e o produtor, Scott Rudin) e existe a esperança de que ele repita as altíssimas arrecadações de A Rede Social (também escrito por Sorkins). Michael Fassbender estrela no papel título e a direção é do Oscarizado britânico Danny Boyle (Trainspotting; Slumdog Millionaire; 72 Hours).

Outra aposta segura é Sisters, uma comédia que reúne Tina Fey e Amy Poehler, dois dos nomes mais respeitados e queridos da comédia americana, sob a direção de Jason Moore (Pitch Perfect). A Universal confia tanto no projeto que estreará o filme no mesmo final de semana que a Disney lança o novo Guerra nas Estrelas, inquestionavelmente o filme mais esperado do ano.

O repertório da Universal também tem fracassos óbvios como Jem & the Holograms. O longa, previsto para 23 de outubro, é baseado numa franquia muito popular dos anos 80 e é o primeiro fruto da parceria entre a Universal e a fabricante de brinquedos Hasbro (que é dona de Transformers e G.I. Joe, propriedades que arrecadaram muito na Paramount). Apesar de Jem ter um enorme público em potencial — mulheres nostálgicas que cresceram nos anos 80 — a produção as menosprezou completamente e o filme parece ser apenas um filme pré-adolescente genérico, cheio de atores desconhecidos. Não é exatamente a receita para um smash hit mas o filme custou apenas 5 milhões para produzir, então a Universal não tem tanto para se preocupar assim.

E, falando em filmes baratos, o próximo lançamento da Universal é The Visit, filme de terror de M. Night Shaymalan, que veio com um precinho tão camarada quanto Jem (5mi) mas tem muito mais potencial para recuperar seu custos. O buzz inicial é positivo, já que o filme tem feito sucesso nas early screenings e a expectativa da indústria é que ele tenha ótimos resultados.

Os lançamentos restantes da Universal dependem de uma série de fatores como a recepção crítica e marketing. No fim de setembro, Everest é uma aposta ousada, sobre o avalanche que, em 1996, deixou 8 escaladores mortos. O filme é encabeçado por Jack Gylenhaal, Josh Brolin e Jason Clarke e custou 65 milhões de dólares. Keira Knightely, Robin Wright e Sam Worthington são alguns dos outros nomes no elenco.

Outubro é o mês mais saturado de lançamentos. Além de Jobs e Jem, a Universal ainda tem Crimson Peak, um grandioso filme de terror dirigido por Guillerme del Toro e, abrindo o mês, Legend, estrelando Tom Hardy como os gêmeos Kray que, nos anos 60, foram os gangsters mais notórios de Londres.

Em novembro, o único lançamento é By the Sea, que reúne Angelina Jolie e Brad Pitt na tela pela primeira vez em mais de uma década sob a direção da própria Angelina. Já em dezembro, além de Sisters, a Universal aposta em Kramus, um filme de terror/comédia protagonizado por Toni Colette e Adam Scott.

Independentemente dos resultados até o fim do ano, porém, a Universal já tem assegurado o melhor ano de sua história.