Causando em 2017: Latino style

Em setembro do ano passado, falei que reggaeton estava a ponto de conquistar o mundo. Quase um ano depois, a previsão se provou certeira. “Despacito” é a maior música do planeta, quebrando um recorde atrás do outro e, depois de três meses, acaba de ser substituído no topo da parada global do Spotify por “Mi Gente” do colombiano J Balvin. Enquanto isso, Daddy Yankee é o artista mais ouvido na principal plataforma de streams do mundo.

Tá tudo dominado

A conquista mundial do reggaeton está em andamento mas, na América Latina e na Espanha, a dominação está mais do que consolidada. O sucesso é tanto que a pluralidade nos charts quase acabou e até alguns dos maiores fenômenos do mercado hispânico — como Romeo Santos, o ícone do bachata, o estilo da moda faz poucos anos — tem tido dificuldade para emplacar hits.

Depois de obter fama avassaladora com o seu grupo Aventura, Romeo se consolidou como o maior nome da música latina . Seu segundo álbum, “Formula, Vol. 2”, lançado em 2014, fez com que ele desbancasse até Shakira como o maior nome da América Hispânica.

Mas, desde que ele entrou em um break, o reggaeton ganhou tanta força que seu aguardado retorno esse ano foi ofuscado pelo sucesso fenomenal de canções do gênero, como a inescapável “Despacito”.

Lançado em fevereiro, seu comeback single “Heróe Favorito” teve resultados dignos mas muito aquém ao esperado de um cantor que encheu absolutamente todos os estádios da América Latina e obteve, com o lead single do álbum anterior, “Propuesta Indecente”, um dos maiores hits em espanhol da década.

O problema de “Heróe Favorito” foi que, na minha opinião, a música era tão tipicamente Romeo que poderia ser uma faixa de qualquer álbum dele. Espera-se que um primeiro single tenha o som marca registrada do artista combinado com algo striking que prenda a atenção do ouvinte para o seu retorno.

Isso, somado ao fato de que bachata perdeu espaço para reggaeton com a ausência de Romeo da cena, fez com que a música do maior astro de todos acabasse passando despercebida.

Para o segundo single, Romeo step up his plate e trouxe a muito mais pegajosa e marcante “Imitadora”. Agradou bem mais aos ouvintes e foi um sucesso maior, apesar de que não chegou ao patamar dos grandes hits do reggaeton — algo que ele era capaz de fazer com facilidade faz apenas dois anos.

Nesse cenário de ditadura do reggaeton, sempre existe a opção de seguir os passos de Shakira e Enrique Iglesias e se render ao gênero.

Mas, diferente das estrelas pop, Santos sempre foi de raiz. Ele é fiel ao estilo que o catapultou ao estrelato e raramente dá o braço a torcer. Mesmo quando colaborou com Drake — o maior rapper do universo — ele não se flexibilizou: foi o canadense que se rendeu e cantou em espanhol, no maior estilo cantor brega latino.

Mas o poder do reggaeton é tanto que Santos não se segurou. Seu novo álbum, “Gold”, inclui a canção “Bella y Sensual” com Daddy Yankee e Nicky Jam. O raro gesto do nova-iorquino parece estar rendendo frutos: o bachataton já penetrou o top 50 da Espanha e de todos os países latinos no Spotify e, em tempo recorde, alcançou o top 10 no Chile, superando o sucesso de todos os demais single que ele lançou ao longo de 2017.

Além de colaborações com os maiores nomes da música romântica em espanhol — Juan Luis Guerra, Julio Iglesias — ele ainda colabora em mais outra faixa com uma das maiores estrelas do reggaeton, Ozuna.

Apesar de estar em uma fase mais modesta, Romeo segue arrasando: a estréia do seu terceiro álbum solo foi a melhor semana de vendas de um álbum latino nos EUA, superando “El Dorado”, o CD de Shakira, lançado em junho.

O fenômeno Shakira

Falando em Shakira, ela é outra que resolveu apostar no seguro e entregou um álbum cheio de reggaeton. “Chantaje”, o maior hit do CD, foi uma colaboração com o fenômeno Maluma. Mais uma música com o jovem reggaetonero foi inclusa no álbum e deve ser lançada como single depois de uma colaboração bem pancadão com Nicky Jam, cujo vídeo acaba de ser gravado.

O interessante é que, apesar de ter se rendido ao reggaeton, Shakira é uma das poucas artistas latinas capaz de obter sucesso se desviando do gênero. Enquanto Santos teve problema para emplacar “Heroé Favorito”, “Deja Vu”, a colaboração da colombiana com Prince Royce — também uma típica bachata — entrou no top 50 do Spotify de todos os mercados hispânicos na mesma semana que o vídeo foi lançado. Seu pop vallenato com Carlos Vives, outro astro colombiano, “La Bicicleta”, foi um dos maiores sucessos em espanhol de 2016.

Não recomendado para os mais sensíveis

Os dois maiores propulsores de talento da América Latina na atualidade são Puerto Rico e Colômbia. Puerto Rico é o berço do reggaeton moderno e de onde saíram quase todos os principais nomes do gênero. Já a Colômbia soube levar o estilo para outro patamar e revelou ao mundo Maluma e J Balvin, as duas maiores sensações, além de ter sido parte do renascimento de Nicky Jam, outro dos grandes nomes.

Mas, além desses dois países, outro mercado que vale a pena prestar atenção é a Republica Dominicana. A nação caribenha também teve um papel importante na criação do gênero — foram os dominicanos radicados em NY que ajudaram a cria-lo — e também é de lá o outro ritmo que tomou conta da América Latina e da Espanha, a bachata. O país da América Central também tem um gosto muito particular e é um grande descobridor de talentos do trap, um gênero do reggaeton que tem muitas semelhanças com a música urbana americana nascida no East Coast.

A influência do rap e do hip-hop de Nova Iorque no gosto local é compreensível: milhões de habitantes do país tem laços fortes com a principal cidade dos EUA, que tem uma comunidade gigante de imigrantes provenientes da Republica Dominicana. Até a bachata moderna, de Romeo Santos e do Aventura, teve origem no Bronx.

Apesar disso, o trap que a Republica Dominicana tanto ama não nasceu no país e sim em Puerto Rico, a colônia dos EUA que também tem relação estretíssima com NY. Mas apesar de não ter sido criado por dominicanos, foi a partir do país da América Central  que o gênero começou a conquista do restante da comunidade latina.

Quando Maluma lançou, em meados do ano passado, a música “4 Babys”, ele chocou o mundo hispânica com a letra. Misoginia na música não é algo raro em nenhum gênero ou país, muito menos no reggaeton latino americano, mas o que deixou muitos de boca aberta foi o baixo calão das palavras. Na canção, sobre o affair  dele com quatro mulheres diferentes, o astro colombiana fala em “meter”, “trepar”, etc. — termos comuns no funk brasileiro ou no rap americano mas pouco visto na música latina mainstream.

O astro colombiano ficou chocado com a reação negativa. Ele só estava trazendo para seu repertório o reggaeton no estilo trap, que, na verdade, já gozava de grande popularidade. Mas, até então, o estilo não tinha sido legitimidade por um astro estabelecido de primeiro escalão. Apesar de bombar no YouTube faz muito tempo, o alcance que ele deu ao subgênero foi muito maior e chegou a um público que nunca tinha sido exposto a ele antes.

No final das contas, “4 Babys” — apesar de todo o choque que a letra causou — serviu apenas como aperitivo, porque o reggaeton proibidão está cada vez mais popular na América Latina. Ozuna, a maior revelação do ano passado, flerta com o estilo e Bad Bunny, a maior sensação desse ano, faz um trap de raiz.

Provenientes de Puerto Rico, ambos estouraram na Republica Dominicana bem antes de conquistarem os demais países do continente. Bunny, em específico, é um Midas no país e todas as suas colaborações com outros nomes do trap — como Anuel AA, Jory Boy, Brytiago e Bryant Myers — são sucessos instantâneos. Agora, ele está dominando o restante das Américas e Espanha, obtendo hit atrás de hit e colaborando com gigantes como J Balvin (no mega hit “Si Tu Novio Te Dejas Solo”).

No trap de Bad Bunny, palavrões, drogas e outros temas que aparecem de maneira filtrada no reggaeton dos outros astros são lugar comum.

Alguns excertos de “Soy Peor”, seu maior hit solo, no qual ele narra estar aliviado ao terminar um relacionamento péssimo: “Agora faço tudo o que eu quero/Só penso em eu mesmo/Jogando notas dentro do puteiro/Para merda o amor verdadeiro/Eu só quero ganhar dinheiro/Baby o que tinhamos descansa em paz/Não estou nem ai para com quem você tá/Diga pra sua mãe que ela não me faz falta/Já tenho sogras demais/Tenho a branquinha que me faz um lap dance/A roqueirinha que meto com tudo, de Vans/Tenho a pretinha, a loirinha, as modelos e todas as fãs”.

A menção obrigatória a substâncias ilícitas: “Eu não quero fumar o regular/Me traga o kush que me deixa espetacular/Que já não tenho mais você para especular/E para encher meu saco por todas as fotos de bunda que tenho no celular”.

E, claro, o refrão: “Siga seu caminho, sem ti eu estou melhor/Agora tenho outras que trepam bem melhor/Se antes eu era um filho da puta, agora sou bem pior”.

Com a forte influência do rap americano, o trap também é bem americanizado. Em “Tu No Metes Cabra”, seu atual hit, Bunny fala de prom, de bleachers, de bilionários americanos, de carrões e de jogadores de basquete. A temática U.S. não impede o single de ser um enorme sucesso em todos os países, da Argentina ao México e também na Espanha. Bunny está próximo a obter o nível espetacular de sucesso alcançado por Balvin e Maluma.

Antes tarde do que nunca

Assim como no rap americano, o universo do reggaeton é um clube do bolinha. Enquanto a música pop — particularmente a mexicana — sempre teve boa participação feminina, a dominação do reggaeton apagou quase todas as mulheres da parada, com exceção da colossal Shakira.

Se aliando com Maluma, Thalia conseguiu um mega hit com “Desde Esa Noche” no ano passado. Com a participação de Cali y el Dandi, a ex-RBD Maite Perroni, hoje mais conhecida como mocinha de telenovelas mexicanas, conseguiu recentemente seu primeiro sucesso desde os tempos de Rebelde com “Loca”. Mas esses casos estão mais para exceção do que para regra.

Apesar disso, é possível que, aos poucos, as coisas estejam mudando. Dentre as 20 faixas mais populares nos principais mercados latinos e na Espanha no Youtube, dois são reggaetons com mulheres como lead singers. Dois em 20 pode parecer um número patético mas é uma evolução de zero.

As duas artistas que conseguiram esse feito foram Karol G. e Becky G. O que ambas tem em comum além do “G” como sobrenome? O fenômeno Bad Bunny participando de suas músicas.

Mas enquanto o reggaetonero foi, sem duvida, um fator importante para o sucesso, a música é majoritariamente das mulheres, na qual ele contribui apenas com alguns poucos versos. Mesmo assim, a influência dele é enormemente perceptível, principalmente na música de Karol.

Em  “Ahora Me Llama” a colombiana se apresenta como uma espécie de versão feminina do trap star porto riquenho.

“Agora me chama/Diz que eu faço falta na sua cama/Mas para mim já não dá, já não dá/Agora eu só quero sair com meu próprio squad/Afinal a vida é minha/E quero curtir ela sem a sua companhia/Agora eu quero viver minha vida/Afinal a vida é minha/Saí com o coração partido e agora já não espero nada/A não ser os melhores drinks e a roupa trazida de Dubai”.

Mais para frente, no melhor estilo “soy peor”, ela afirma: “Se antes eu era má/Agora chegou a nova versão, ainda mais má/Continuo fazendo fama/Depois decido que gostinho quero levar pra minha cama/Porque viver de amor/Isso não me faz falta/Sou dona da minha vida e em mim ninguém manda”. Já Bunny faz uma aparição breve para dizer que “para ele melhor assim como solteiro/Eu curto, bebo, fumo, faço tudo o que eu quero”. No YouTube, o vídeo da canção já tem 150 milhões de views em 2 meses.

Já Becky G. é uma criação do polêmico produtor americano Dr. Luke. Apesar de ter sido lançado na época que ele emplacava hits fáceis, Becky — nascida e criada em Los Angeles — demorou muito até obter um mid sized hit com a música “Shower”. Apesar do gostinho do sucesso, a cantora não obteve grande fama mesmo com contratos publicitários gigantes (ela é garota propaganda da CoverGirl junto com Katy Perry, Ellen e Sofia Vergara) e filmes de Hollywood (ela é a Power Ranger amarela na adaptação cinematográfica da franquia).

Depois que sua carreira teen pop não decolou, Becky mudou para o pop em espanhol mas seguiu penando. Até que se juntou com Bunny numa canção cheia de duplo sentido e, voila, sucesso na América Latina e na Espanha e 60 milhões de visualizações em poucas  semanas no YouTube.

Enquanto Karol optou pelo viés “bad bitch”, Becky preferiu os trocadilhos sexuais. Em “Mayores”, ela canta: “Eu gosto mesmo dos maiores/Os que são chamados de senhores/Que seguram a porta e me dão flores/Eu gosto daqueles que são grandes/Que não cabem na boca/Os beijos que vão me dar/Que me deixam louca”. O porto-riquenho aparece para questiona-la: “Quer um mais velho, está segura?/Te dou mil aventuras/E duro o que ele não dura”.

Para os latino-americanos que ficaram chocados com “4 Babys”, talvez seja o momento de parar de ouvir a rádio.

Advertisements

Causando en español: si necesita el reggaeton, ¡dale!

A dominação atual

Um estilo domina as paradas de sucesso do mundo hispânico: o reggaeton. Esteja em Miami ou Madrid; Barcelona ou Cidade do México; Buenos Aires ou Bogota, nada bomba tanto quanto um sucesso do gênero.

Esse monopólio pode ser confirmado com uma olhada no top 50 do Spotify nos principais mercados ibero-americanos. No México, por exemplo, apenas 13 músicas em espanhol aparecem dentre as mais ouvidas, mas 10 dessas são reggaeton. Na Argentina, a dominação é ainda mais evidente: 24 dentre as 28 músicas na língua pátria entre as 50 mais ouvidas pertencem ao gênero. Chile (21/25); Espanha (17/21) e Colômbia (17/19) não ficam atrás.

De certa maneira, esse takeover pode ser comparado com o sertanejo que, no Brasil, se solidificou como, de longe, o estilo mais popular. Até os números no Spotify são similares: 18 das 22 músicas brasileiras no nosso top 50 são de artistas sertanejos.

Além do sertanejo, o reggaeton também tem paralelos com o funk: um estilo assumidamente popular e que muita gente torce o nariz para mas que, na pista, é sempre sucesso garantido.

A origem

Comparações aparte,  a explosão do reggaeton é relativamente recente. O gênero surgiu no Panamá, na década de 1980, antes de chegar em Nova Iorque e, finalmente, em Puerto Rico. Foi na colônia estado-unidense onde o estilo começou a se massificar, com o gigantesco sucesso de Don Omar. A explosão internacional de Gasolina de Daddy Yankee, em 2004, confirmou o reggaeton como um dos principais pilares da música latina.

Enquanto o sucesso de Omar ficou mais restringido ao mercado latino (pelo menos até 2010, com Danza Kuduro),  Gasolina transcendeu barreiras linguísticas e atingiu o top 10 geral da Billboard assim como as paradas europeias e até japonesa. O álbum que continha a música, Barrio Fino, vendeu 1.7 milhão de unidades nos EUA, o maior vendedor latino da década. E Yankee se transformou numa lenda e no rei do reggaeton.

Nenhum dos singles subsequentes teve o alcance internacional de Gasolina, mas o porto-riquenho se transformou num staple na cena latina e suas músicas fazem sucesso até hoje. O triunfo dele também ajudou dezenas de outros grandes nomes do reggaeton — todos de origem porto-riquenha — a emergirem.

A música desses artistas fez a América toda dançar mas a falta de sangue novo no gênero acabou causando uma saturação e Pitbull, com suas produções mais urban top 40, grande partes dela em inglês, se apossou do nicho festeiro no final da década.

Mas Yankee, Wisin, Yandel e demais artistas nunca pararam de produzir hits e se mantiveram consistentes no cenário latino (que, aliás, é bem fiel). Na Espanha, o DJ catalão Juan Magan — o rei do electrolatino — junto a outras dezenas de artistas provenientes das Américas também ajudaram a fazer do ritmo algo completamente inescapável. Mesmo ofuscado, o estilo foi uma presença constante, ajudando a abrir caminho para o atual monopólio.

De San Juan a Medellin

reggaeton-j-balvin-cor

Enquanto Puerto Rico foi quem deu o ponta pé inicial no fenômeno, foi a Colômbia, especificamente a cidade de Medellín, que elevou o estilo ao seu atual patamar e deu uma nova roupagem ao gênero. O primeiro megastar proveniente dessa nova fase foi J. Balvin.

A hypada publicação americana Fader, que dedicou uma capa ao megastar latino, fez uma boa descrição da diferença entre o colombiano e os anteriores ícones do gênero:

“O reggaeton de Balvin é mais sutil, mais relaxado e mais em linha com o que está acontecendo na cena pop e hip-hop atual. Enquanto Daddy Yankee parecia estar gritando em suas músicas, Balvin canta com uma pronunciação mais suave”, descreve a revista.

“Ao invés de enormes óculos aviadores e bonés largos, Balvin opta por um chapéu de cowboy de abas largas e streetwear direto da passarela de designers badalados como Guillermo Andrade”.

Assim como Kanye e Drake ajudaram a reinventar a cena do rap, Balvin — com seu swagger e estilo — marcou um novo começo na cena do reggaeton. Em 2011, ele começou a emplacar sucessos na Colômbia. Em 2012, Yo Te La Dije e Tranquila estouraram nos EUA, nas Américas e na Espanha. E, em 2013, ele obteve seu primeiro mega blockbuster hit com 6 AM. Seu primeiro álbum, La Familia, foi um grande sucesso e, provando que tinha chegado de verdade,  emplacou logo em seguida outro inescapável hit, Ay, Vamos.

O estilo único de Balvin está diretamente ligado a sua história de vida: nascido numa família de classe alta em Medellín, ele cresceu apaixonado por grunge e Nirvana. Depois,  descobriu Daddy Yankee, sua maior inspiração. Sua família foi a falência e Balvin começou a transitar entre dois mundos, estudando numa escola de elite e vivendo num bairro próximo do gueto. Num intercâmbio para os EUA, ficou fascinado pelo universo do rap e hip-hop e todo o business bilionário em torno do gênero. Voltou para sua cidade natal disposto a fazer do reggaeton um negócio similarmente lucrativo. E, claro, o resto é história.

Balvin aponta Yankee como a figura responsável por fazê-lo se apaixonar pelo reggaeton. O porto-riquenho também tem influência direta em outro dos principais nomes ligados a cena de Medellín, Nicky Jam.

reggaeton-nicky-jam-cor
Nicky Jam

Jam nasceu em Massachusetts mas foi criado em San Juan, Puerto Rico. Seu talento chamou atenção de Daddy Yankee, que o apoiou e o treinou em seus primeiros anos, além de ter colaborado com ele em várias músicas. Não demorou para começar a obter sucesso mas as drogas e uma briga com seu mentor (que estava prestes a estourar com Gasolina) deram fim prematuro a sua carreira, interrompida em 2005.

Com a autoconfiança abalada, Nicky Jam se mudou para Medellín. A cidade era louca por reggaeton mas, antes de Balvin explodir, poucos imaginavam que alguém de lá poderia se tornar um grande astro do gênero. A chegada do porto-riquenho na cidade — com seu sucesso prévio e sua antiga associação com Yankee — causou burburinho e não demorou para as portas começarem a se abrir uma atrás da outra.

A forte cultura musical colombiana (cujo gênero local principal é o vallenato) influenciou Jam a dar mais melodia e romantismo a suas produções. E, depois de anos se preparando, ele finalmente estava pronto para oficialmente retornar. Foi um sucesso de imediato. Em 2014, a repercussão arrebatadora do single Travesuras o colocou na primeira linha. Apesar de ter nascido nos EUA e ter sido criado em San Juan, o sucesso dele era made in Colombia.

Em paralelo a Jam e Balvin, outra cria de Medellín começava a deixar sua marca. Enquanto Travesuras estourava, Maluma, então com 20 anos, conquistava a Colômbia com seu rostinho bonito e se estabelecia como o maior teen idol do país. O sucesso da sua música La Temperatura abriu as portas dos EUA, assim como de outros mercados latinos e da Espanha e deixava claro que ele também não estava para brincadeira. Com a ajuda das redes sociais, o garoto se estabelecia como uma das estrelas mais rentáveis da América Latina.

reggaeton-maluma-cor
Maluma

2015: o ano em que reggaeton virou a norma

Se Travesuras tinha dado nova vida a carreira de Nicky Jam, o porto-riquenho — agora baseado em Medellín — não imaginava o que estava por vir em 2015: seu single subsequente se transformaria num dos maiores sucessos em espanhol da história recente.

El Perdón, que contava com a participação de Enrique Iglesias, inquestionavelmente um dos maiores astros da música latina, passou 1 ano inteiro no topo de absolutamente todos os países de língua hispana (e 30 semanas no topo do Hot 100 Latin dos EUA), acumulou mais de 1 bilhão de views no YouTube e se transformou na música em espanhol mais streamed do Spotify (335mi), transcendendo barreiras e atingindo o top 10 de mercados não latinos como Alemanha, França, Suécia e Holanda. A música cristalizou a posição de Jam dentre os maiores nomes da música latina. O single também significou um renascimento de Enrique Iglesias.

De certa maneira, Iglesias serve como um termômetro do que é popular no cenário latino: ele está sempre colaborando e produzindo músicas de maneira milimetricamente planejada para obter os maiores hits.

Sendo assim, a transição de Enrique para o reggaeton foi um momento divisor de águas: era um sinal de que o gênero deixava de ser apenas mais um estilo popular para se transformar no estilo principal.

Iglesias é, desde meados dos anos 90, um dos maiores nomes da música em espanhol. Assim como seu pai, Julio, seu repertório era formado por baladas românticas e, logo de cara, ele virou um dos maiores astros da América Latina, com hits como Experiencia Religiosa e Nunca Te Olvidaré antes de crossover para o mercado anglo-saxão com giga hits como Hero e Escape.

Em 2007, Iglesias voltou as paradas com uma série de sucessos em inglês como I Like It e Tonight (I’m Fucking You), quase todos com participação de Pitbull. Para suas canções em espanhol, contudo, ele seguiu apostando em um som mais romântico, obtendo grandes sucessos como Cuando Me Enamoro, uma colaboração com Juan Luis Guerra que ficou 14 semanas em primeiro lugar, assim como duetos com grandes ícones da música romântica como Romeo Santos (Loco) e Marco Antonio Solis (El Perdedor)

Mas, em 2014, o artista espanhol começou a flertar com estilos mais dançantes. O resultado foi Bailando, uma colaboração com o grupo Gente de Zona e o artista Descemar Santos, ambos cubanos, que mesclava pop, flamenco e um pouco de reggaeton. Foi um sucesso sem precedentes na carreira do artista, superando todos os seus sucessos anteriores (e isso não era tarefa fácil para alguém que, naquela altura, já tinha passado 104 semanas no topo da parada Latina da Billboard).

Foram 41 semanas ininterruptas no topo da Billboard Latin Tracks, um recorde histórico. Nos EUA, a canção vendeu 3 milhões de unidades, números inéditos para uma faixa em língua estrangeira. Na Espanha e na América Latina, a música tocou — sem parar — por 1 ano inteiro. O clipe acumulou mais de 1.6 bilhão de visualizações no YouTube, se tornando o vídeo em espanhol mais visto na plataforma (e o nono mais visto no total).

Repetir esse sucesso não seria fácil. Mas daí Iglesias viu um trecho de El Perdón, que Jam estava previewing no Instagram; pediu para participar e o resto é história. A canção fez o impossível e igualou o sucesso histórico da antecessora, dando para Enrique mais um ano ininterrupto no topo das paradas de todos os países hispano e além (a música foi um enorme sucesso em quase toda Europa continental).

O fenômeno da colaboração com Nicky Jam fez com que Enrique finalmente assumisse seu novo papel de reggaetonero. Duele El Corazón, seu follow-up, uma colaboração com Yandel, provavelmente encerrará o ano como um dos maiores hits de 2016.

O cenário atual

Basta ver a diferença de orçamento entre os clipes de reggaeton de 2014 para o presente para constatar que, graças a rentabilidade dos principais nomes do gênero, muita coisa mudou.

Enquanto Iglesias se acomodava e Nicky Jam ascendia, J. Balvin seguia imparável. Depois do sucesso de 6 AM e Ay, Vamos!, Balvin lançou, em julho, o que se tornaria seu maior hit internacional até então: Ginza. A música foi catapultada quase de imediato para o topo de todos os países que falam espanhol (e substituiu El Perdón na Hot 100 Latin, onde ocupou o primeiro lugar por 20 semanas)  e é a segunda canção em espanhol mais ouvida da história do Spotify. No YouTube, são mais de 700 milhões de visualizações (mas ainda não chega nem perto do sucesso de Ay Vamos! na plataforma).

Balvin atingiu um milestone importante quando foi selecionado para fazer parte do jurado do The Voice mexicano. O programa frequentemente atraí nomes gigantes para seu painel, como Alejandro Sanz e Laura Pausini. Sendo assim, a adição de Balvin foi um huge deal e um testamento de sua força no mercado (de quebra, a candidata dele ainda ganhou a edição), consolidando-o como um household name no México, inquestionavelmente o principal mercado hispano-americano (que tem influência direta no que faz sucesso no lucrativo mercado latino dos EUA). Por lá, ele ainda tem tem um contrato milionário com a Pepsi e aparece nas embalagens do refrigerante.

Ele também se solidifica como um fashion icon — algo nunca antes visto no cenário urbano latino — usando peças Gucci, Saint Laurent, Chanel e colaborando até com a Vogue.

Mais importante, ele segue como um hitmaker impressionante. Otra Vez, sua colaboração com o duo porto-riquenho Zion & Lennox, é atualmente o reggaeton mais badalado na América Latina, no top 5 do Spotify do México, Espanha e Argentina (e disparado em primeiro no Chile e na Colômbia). Seu atual single solo, Safari, acumulou 30 milhões de visualizações no YouTube em uma semana (depois de duas semanas de exclusividade na Apple Music). E o anterior, Bobo, quebrou recorde de views e streams nas principais plataformas.

Assim como Balvin, Nicky Jam também tem o toque de Midas:  depois de 20 semanas ininterruptas em primeiro lugar no Hot Latin Tracks, Ginza foi substituído no topo da Billboard pelo primeiro single pós-El Perdón do porto-riquenho, Hasta El Amanecer. A canção encabeçou a lista por 14 semanas  e quebrou recordes no YouTube  e no Spotify (sendo o single em espanhol de maior sucesso de 2016 em ambas as plataformas).

Sua colaboração com Cosculluela, Te Busco, também está impressionando: apesar de nem sequer ter um clipe ou um lyric video oficial, a canção já tem mais de 300 milhões de views no YouTube e está prestes a penetrar o seleto grupo de músicas em espanhol no Spotify que superaram 100 milhões de streams (apenas 12 canções no idioma atingiram a marca, das quais três são de Jam).

Nada mais natural que tanto o colombiano quanto o porto-riquenho estejam em altíssima demanda. O primeiro colaborou com Pharrell Williams (que cantou em espanhol para a canção Safari) e Justin Bieber (sendo responsável por adicionar alguns versos na versão para o mercado hispânico do giga hit Sorry). O segundo foi acionado por Maná, inquestionavelmente o maior grupo de rock latino , para fazer um remake reggaeton de De Pies a Cabeza, um sucesso de 1992, e também por Sia, que o incluiu na versão latina de Cheap Thrills.

Mas a disputa pelo topo não foi só entre Balvin, Jam e Enrique. O já mencionado Maluma está se provando um fenômeno igualmente potente e, possivelmente, o nome mais rentável de todos. Com seu rosto de proporções perfeitas e seu estilo fashion, o autodenominado Pretty Boy, Dirty Boy emplacou seu primeiro gigantesco hit, Borro Cassette, no começo desse ano. A música atingiu o topo em todos os principais mercados — México, Argentina, Chile, Espanha — e o terceiro lugar nos EUA.

O poder dele ficou claro quando os ingressos de sua turnê foram disponibilizadas. Ele esgotou 5 noites no Luna Park de Buenos Aires em tempo recorde e sua turnê mexicana, incluindo duas noites no lendário Auditorio Nacional da Cidade do México, também estava toda vendida com meses de antecedência. Enquanto Balvin assinou com a Pepsi, Maluma é garoto propaganda da Coca Cola. Nas redes sociais, seus números já superam os de quase todas os outros mega astros latinos. Seus singles são imediatamente adicionados na alta rotação das rádios latinas, além de penetrarem as paradas do Spotify com enorme rapidez. No Youtube, ele é rei absoluto de views. No Instagram, nenhuma estrela hispânica tem tantos seguidores e likes.

Seu calibre é tamanho que sua estreia no Brasil foi digna de estrela internacional de primeiro escalão, aparecendo com equal-billing em Sim Ou Não, primeiro single do novo álbum de Anitta, a maior estrela pop do país (Ginza de J. Balvin também fez sucesso aqui graças a uma versão com a participação dela).

Anitta está longe de ser a estrela mais high profile com a qual o colombiano colaborou. Ele aproveitou uma passagem relâmpago por Barcelona para gravar com uma conterrânea que é, inquestionavelmente, a maior estrela da América Latina, Shakira.  Ele também está no próximo single de outro dos principais astros da região, Ricky Martin. E Desde Esa Noche, sua colaboração com Thalia, está bombando.

A velha guarda

Apesar do enorme sucesso da nova geração, Daddy Yankee segue o rei. Já se passaram 12 anos desde seu primeiro giga hit, Gasolina, mas ele segue no topo das paradas. Shaky Shaky, seu atual single, é, junto com Otra Vez, o maior hit reggaeton do o momento. Atualmente, a canção está em primeiro no Spotify da Argentina e no top 10 de todos os demais mercados. O vídeo da canção é a música em espanhol mais popular do YouTube das últimas semanas (quarto vídeo mais visto no total, superando quase todos os lançamentos de artistas anglo-saxões).

Enquanto o som de Yankee é bem batidão, seu arquirrival, Don Omar, é conhecido por seguir uma linha bem mais romântica. Atualmente, se dedica a atuação, fazendo parte da mega franquia Velozes & Furiosos (que fez de Danza Kuduro música tema de seu quinto filme, um sucesso global).

Apesar de sempre terem posado para mídia como “inimigos”, Yankee e Omar tem, na realidade, uma relação profissional amigável. Esse ano, até fizeram uma turnê em conjunto, The Kingdom, que esgotou as principais arenas dos EUA, incluindo o Madison Square Garden de Nova Iorque, o Staples Center de Los Angeles e a American Airline Arena de Miami.

Além dos dois, outra dupla monopolizou o gênero nos idos dos anos 2000: Wisin & Yandel. Depois de gravar dezenas de sucessos em conjunto, ambos seguiram em carreira solo. Wisin obteve um hit inescapável em 2014, Adrenalina, com a ajuda de J.Lo e Ricky Martin enquanto Yendel fez bonito junto a Daddy Yankee com Moviendo Caderas. Depois, Wisin se juntou a estrela colombiana do pop vallenato, Carlos Vives, no sucesso Notas de Amor e Yandel, sozinho, obteve grande sucesso com Encantadora.

Hit instantâneo

O mercado latino é extremamente fiel. Shakira é capaz de produzir um hit instantâneo no continente hoje em dia quase tão facilmente quanto em 2003 ou em 1997. Ricky Martin, Marc Anthony, Chayanne, Maná e Alejandro Sanz seguem enchendo os maiores estádios. Uma vez que o público latino te aceita entre os grandes, ele não vai te abandonar tão facilmente. Mas fidelidade e consistência não significa que eles não são ofuscados pelas novas sensações jovens. Por isso, um remédio foi encontrado: se associar com as tais sensações.

Seguindo o exemplo de Iglesias, todos os principais  nomes da música em espanhol estão se rendendo ao reggaeton.

Lançado em 2015, La Mordidita, de Ricky Martin, foi o maior hit do porto-riquenho na década. O próximo single dele, que será lançado essa sexta, será uma colaboração com Maluma. O lendário cantor colombiano Carlos Vives também frequentemente colabora com o pretty boy colombiano (o fato de dividirem um empresário provavelmente ajuda) e obteve um grande sucesso com Notas de Amor, junto a Wisin e Daddy Yankee. Marc Anthony emprestou seus vocais para La Gozadera, o giga hit do Gente de Zorra que homenageia a América Latina (e, ironicamente, foi um dos maiores hits da história recente não no continente, mas sim na Espanha, atrás apenas de El Perdón). Com Desde Essa Noche, também colaboração com o fenômeno Maluma, Thalía obteve seu maior sucesso da década.

Outra técnica utilizada para maximizar o impacto das canções no mercado latino: regravá-las em estilo reggaeton.

Carlos Baute, popular cantor de origem venezuelana, tem obtido grande sucesso com Amor y Dolor refeito pelo duo porto-riquenho Alex & Fido. A banda romântica mexicana Reik fez sucesso com Ya Me Enteré mas o urban remix, refeito por Nicky Jam, é o que está penetrando o top 10 do Spotify em países onde a versão original não chegou sequer ao top 50 (como Argentina, Chile e Espanha). Como já mencionei antes, até o Maná, não exatamente conhecidos por serem inovadores, se rendeu, relançando uma versão do seu hit de 1992, De Pies à Cabeza com Jam. Vários dos maiores hits internacionais do ano (Cheap Thrill; Sorry; Cold Water) também adicionaram os principais nomes do gênero (Balvin, Jam, Don Omar) em remixes lançados especialmente para o mercado hispânico.

Dos países hispânicos para o mundo

O mais óbvio próximo passo é fazer com que o gênero conquiste de vez o resto do mundo.

Isso inclui, claro, os dois principais mercados de todos, notoriamente resistentes a músicas estrangeiras: os EUA e o Reino Unido (Gasolina e Danza Kuduro foram as únicas duas músicas a atingirem o mainstream nesses dois países).

No Brasil, Anitta, inquestionavelmente o maior nome pop do país, serve como uma embaixadora não oficial do gênero. Com a ajuda dela, Ginza, de J Balvin, obteve sucesso por aqui e Maluma está sendo introduzido em grande estilo pela diva pop . Fica a dúvida se o reggaeton, que já conquistou todo o resto do continente, conseguirá levantar voo em nosso mercado.

sim-ou-nao-feat-maluma-single

Alguns acreditam que gravar em inglês pode agilizar a conquista do mundo anglo. Nicky Jam, que nasceu nos EUA e Enrique, um ato global, costumam gravar versões em inglês dos seus maiores hits. Apesar de o idioma ter mais alcance, nenhum desses remakes ganhou tração.

Já Balvin declarou que não pretende se render. A aposta dele é que o mundo English-speaking que se entregará ao espanhol (como Pharrell Williams faz no atual single do colombiano ou Drake fez em Odio, do astro da bachata Romeo Santos).

Seja como for, a verdade é que os ventos sopram a favor do reggaeton: os dois maiores sucessos de 2016 foram One Dance de Drake e Work da Rihanna, ambas músicas que, assim como o estilo sensação latino, têm enorme influência jamaicana e caribenha. Repetição e batidas familiares são a porta para o sucesso. Logo, essa onda tropical abre precedentes para músicas com estilo similar — como reggaeton – acontecerem nas rádios e nas paradas mundo afora.

Será que é só questão de tempo até as paradas globais refletirem as da Espanha e da América Latina?

Read more: mais dos maiores hits reggaeton da atualidade

Continue reading Causando en español: si necesita el reggaeton, ¡dale!

Causando na Argentina: um aterrorizante Clan domina as bilheterias do país

  • Na Argentina, o filme El Clan está batendo todos os recordes alcançados por Relatos Selvagens ao longo do ano passado. Enquanto o filme de Damian Szifrón — a maior bilheteria de um filme local na história do país, com mais de 3.4 milhões de ingressos vendidos — demorou 11 dias para superar a barreira de 1 milhão de espectadores, El Clan chegou a marca em apenas nove. A estréia do filme superou em mais de 10% o primeiro final de semana de Relatos Selvagens e levou 505 mil espectadores ao cinema (53% de todo o público naquele final de semana).
  • O filme de Pablo Trapero conta a história real do clan Puccio, um caso que fascinou e aterrorizou a Argentina em meados dos anos 80. Os Puccio pareciam uma típica família de classe alta do idílico e afluente bairro de San Isidro, na Grande Buenos Aires. Mas, por detrás da faixada de família perfeita, escondia-se um grupo de criminosos que, entre 1982 e 1985, sequestrou quatro pessoas e, apesar de ter recolhido os resgates, matou três das vítimas. A aterrorizante história é um dos casos policiais mais assustadoramente celebres do país vizinho e, trinta anos depois, segue gerando repercussão.
  • Guillermo Francella, que interpreta Arquimedes Puccio, patriarca da família e a mente por detrás dos crimes, foi vital para transformar El Clan num dos filmes mais esperados do ano. Francella é um dos maiores nomes na Argentina, um sucesso tanto na TV quanto no cinema. Apesar de ser mais fortemente associado a comédia, o ator tinha surpreendido com seus dotes dramáticos em El Secreto de tus Ojos, filme de 2009 que levou o Oscar de Melhor Filmes Estrangeiro e que, até ser superado por Relatos no ano passado, detinha o recorde de maior bilheteria de um filme local. Para El Clan, Francella passou por uma extrema transformação e, através de maquiagem pesada e próteses, sua fisionomia foi drasticamente alterada para transformá-lo num sósia do famoso sequestrador. O resultado foi tão assombrosamente perfeito que, meses antes da estréia, o longa já era assunto por todo o país e o trailer já tinha acumulado milhões de visualizações.
  • Além de Francella, o filme tem Peter Lanzani, um ex-teen idol e protagonista de novelas adolescentes, no papel de Alex Puccio, o filho mais velho que, além de sequestrador e assassino, era um exímio jogador de rugby (um esporte muito popular entre a classe alta portenha).
  • Assim como Relatos Selvagens, o longa foi co-produzido por Pedro Almodovar e pela Telefe, uma das maiores emissoras do país, o que garantiu uma promoção intensa (o canal também esteve por detrás de O Segredo de seus Olhos). A direção é de Pablo Traperos, que, apesar de bastante aclame (Carancho, seu filme de 2010, foi indicado ao Oscar de Filme Estrangeiro), nunca tinha dirigido um blockbuster. Seu último filme, Elefante Blanco, lançado em 2012 e estrelando Ricardo Darín, alcançou 800 mil ingressos vendidos, um resultado bastante digno para um filme local mas que El Clán superou em pouco mais de uma semana.

  • A Telefe, a emissora por detrás do filme, quer lucrar ao máximo com o revivido interesse na história. Por isso, além do filme, o canal também exibirá uma mini-série de 13 episódios, Historias de un Clán. A estréia está prevista para esse mês e o elenco conta com a prestigiosa atriz Cecilia Roth no papel da matriarca, Epifania, e El Chino Darin, filho de Ricardo, no papel de Alex, o filho mais velho. Arquimedes será interpretado por Alejandro Awada.
  • A mini-série, produzida pela Underground, uma das produtoras de confiança da Telefe, estréia com o objetivo de levantar a audiência da emissora que, no momento, está levando uma surra do Canal 13 que domina o horário nobre com o fenômeno turco Las Mil y una Noches.

Causando en Español: The king of bachata

romeosantos
Não se engane pela cara de pagodeiro, ele é o rei do bachata

Engana-se quem pensa que o espanhol é a língua predominante das Américas. Mais de metade dos países — a maior parte pequenas ilhas caribenhas — falam francês, creole, inglês ou holandês. Mas, quando falamos especificamente de países com populações grandes, daí as coisas mudam: dentre as 25 nações mais populosas da América do Sul; da America Central e da America do Norte, apenas cinco não tem o castelhano como o idioma principal. O maior de todos, claro, é os EUA mas, curiosamente, a terra do Tio Sam não tem idioma oficial e, apesar de o inglês ser a língua predominante, o espanhol é usado como língua primária por 10% da população e é dominado por mais de 50 milhões de americanos. Isso significa que os Estados Unidos são o segundo maior país hispano-hablantes do mundo, superando a Espanha, a Colombia e a Argentina e ficando atrás apenas do México (que tem uma pop. de mais de 120 milhões).

Levando em conta esse dado, fica claríssimo que o Brasil destoa bastante do resto das Américas. O segundo maior país da região, abrigando quase metade de toda a população da América do Sul, a nossa língua é o português (no way!! Não é espanhol brasileiro?!) e não temos sequer uma comunidade considerável de gente que fala espanhol por aqui. Sim, ambas línguas são, até certo ponto, parecidas mas, obviamente, estão longe de ser iguais (e ai do ignorante que sugerir para um brasileiro que espanhol e português são a mesma coisa).  Por incrível que pareça, eu acho que isso é apenas um detalhe: para cada diferença, também há semelhanças, tanto históricas quanto contemporâneas; tanto boas (calidez, otimismo, temperaturas boas, joie de vivre) quanto ruins (corrupção; desigualdade social; serviços públicos que deixam a desejar). O Brasil é gigantesco, praticamente um continente por si só, e tem, dentro dele, uma infinidade de culturas, mas isso não elimina nossas muitas semelhanças com nossos hermanos America afora.

Porém, contudo, todavia…. quando o assunto é cultura pop, daí sim o Brasil vira um caso a parte. Para cada Chaves/Shakira/Maria do Bairro/Usurpadora/RBD que estoura por aqui, temos milhares de outras coisas que enlouqueceram o continente e foram ignoradas por nós. Por exemplo, o hit completamente inescapável em toda a América Latina atualmente (e também na Espanha) é El Perdón, de Nicky Jam com Enrique Iglesias. É quase impossível ir numa festa — seja ela em Buenos Aires; Bogota; Punta del Este ou Cidade do México — e não ouvir Enrique entonando porque yo sin ti y tu sin mi; dime quien puede ser felíz; esto no me gusta, esto no me gusta.

No Brasil, essa música, assim como quase qualquer canção em espanhol, é completamente ignorada pelas rádios e é desconhecida por grande parte do público. Enquanto Enrique está tendo um novo ápice nas Américas (esse é o segundo hit gigantesco consecutivo dele nos últimos meses; Bailando foi outro sucesso completamente inescapável no ano passado. Apesar de uma versão brasileira com participação de Luan Santana, a música não aconteceu da mesma maneira por aqui), Iglesias filho é apenas uma figura vagamente familiar no Brasil, mais associado com o fim dos anos 90 — época que ele tinha grandes hits em inglês —  do que com o presente.

Sendo assim, não é surpresa que ninguém no Brasil tenha ouvido falar de Romeo Santos. Mas o cantor, de 34 anos, é o maior fenômeno da música em espanhol, imparavel em todo o continente. Atualmente, nem Shakira consegue chegar perto dos resultados obtidos por ele. Em fevereiro, na Cidade do México, 50 mil ingressos foram vendidos em tempo recorde para seu show no Foro Sol. Na semana seguinte, em Buenos Aires, 90 mil pessoas lotaram dois shows no estádio do River Plate, o maior do país. Depois disso, foram mais 45 mil no Estádio Nacional de Santiago, no Chile. São os mesmos palcos ocupados por Madonna, Paul McCartney, U2 e One Direction em suas respectivas turnês latino-americanas e Santos as lotou com facilidade, cobrando preços similares. Seja em Asunción no Paraguai ou em Montevideo no Uruguai, existem poucos artistas que conseguem uma convocatória tão considerável quanto Romeo.

Santos, cujo nome de batismo é Anthony, canta bachata, um gênero romântico originado na Republica Dominicana. Apesar de ter alcançando a fama cantando em espanhol, ele é americano, nascido e criado no Bronx, em Nova Iorque. Foi no bairro, ainda adolescente, que ele se juntou com seu primo e alguns amigos e formou um grupo de música romântica, Los Tinellers (no sotaque dominicano, pronuncia-se Los Teenagers, os adolescentes). Eles lançaram o primeiro álbum de maneira independente em 1995 mas foram completamente ignorados. Cinco anos mais tarde, eles se relançaram com o nome de Aventura.

Em 2002, o Aventura explodiu internacionalmente, A música Obsesión foi um dos maiores hits do ano não nos EUA ou na América Latina mas na Europa, onde a canção alcançou o topo na Alemanha, na França (sete semanas em primeiro lugar e quase 1 milhão de unidades vendidas), na Suíça e na Itália (16 semanas no topo!). Nos últimos três países, o segundo CD do grupo, We Broke the Rules, também atingiu o primeiro lugar. Impulsionado pelo sucesso internacional, a música começou a ganhar espaço nas Américas (hoje em dia, ela é um clássico) e, aos poucos, o Aventura começou a se consolidar.

Em 2005, o terceiro CD dos meninos, God’s Project, atingiu a terceira posição da parada latina estado-unidense e deu origem a diversos hits obtendo, eventualmente, certificado de 4x Platina. Em 2006, eles esgotaram o Madison Square Garden pela primeira vez. Em 2007, Mi Corazoncito foi o maior sucesso em espanhol do ano nos EUA. E, em 2009, com The Last, eles se consolidarem como o maior sucesso do segmento latino nos EUA: o álbum ocupou o primeiro lugar da parada hispano durante 16 semanas; eles se apresentaram para Barack Obama e fizeram a maior turnê deles até então, sendo um dos poucos atos, tanto anglo-saxões quanto hispânicos, que esgotaram o Madison Square Garden com quatros shows consecutivos. Eles atingiram também enorme popularidade na América Latina, rodando extensivamente a região e fazendo dezenas de shows esgotados. Em 2011, no ápice de popularidade, o Aventura anunciou que iria se separar.

O rompimento, claro, serviu como um trampolim para a carreira solo de Romeo, o vocalista e grande estrela do grupo  compositor de todas as canções. Alguns meses antes do anuncio, ele tinha assinado um contrato de 10 milhões de dólares com a Sony. Como parte do Aventura, Santos pertencia a uma micro subsidiária da companhia, a Premium Latin Music, especializada em bachata mas, com o novo contrato, ele seria parte da primeira linha de artistas da gravadora. O primeiro álbum dele, Formula vol. 1, foi lançado em novembro de 2011 e tinha como objetivo consolida-lo como o rei da bachata urban. O álbum contou com colaborações de grandes estrelas — tanto da musica hispano (Tomatito; Mario Domm, vocalista da banda Camila) quanto da americana (Usher; Lil Wayne) — e, além de receber disco de platina, o CD deu origem a quatro hits número 1 na parada latina da Billboard e uma excursão com 75 shows.

A turnê, apropriadamente intitulada The King Stays King,  abriu com três shows esgotados no Madison Square Garden. Foram 36 shows nos EUA, incluindo apresentações para mais de 19 mil pessoas em Miami, Houston, Los Angeles, Nova Jersey, Chicago, Phoenix, San Antonio, Anaheim e Orlando. Dentre os 37 shows na América Latina, houve paradas em estádios da Republica Dominicana, Peru, Colombia, Panama e El Salvador. Em Buenos Aires, 18 mil ingressos foram vendidos e, em Santiago, 15 mil. Santos ainda se apresentou em seis cidades do México e em Barcelona e Madri, na Espanha.

Romeo parecia ter atingido o ápice. Mas o que ninguém esperava é que o primeiro álbum dele seria apenas a introdução do fenômeno que ele viraria. Sim, naquele então, Romeo era indubitavelmente uma das grandes forças do nicho hispano nos EUA e também uma das estrelas mais rentáveis pan-latina. Mas, com seu álbum seguinte, Formula vol. 2, ele deixaria de ser uma das para se tornar grande estrela da musica em espanhol.

O primeiro single do segundo álbum solo do cantor foi o que deu o empurrãozinho para fazer dele o fenômeno imparável que ele é hoje. A sugestivamente entitulada Propuesta Indecente se transformou num dos maiores hits em espanhol da última década, uma daquelas raras canções que alcançou a façanha de se transformar num fenômeno em todos os países que falam em espanhol.

Nos EUA, a música quebrou todos os recordes: foram 86 semanas no topo das paradas. Lançada em julho de 2013, a música continua em segundo lugar nos charts dessa semana (de junho de 2015!) da Billboard (atrás apenas do já mencionado hit de Nicky Jam e Enrique Iglesias). A canção ainda conseguiu transcender a America Latina e chegou na Espanha. O país também se viciou no hit de Romeo, que alcançou o topo das paradas de  singles e foi streamed mais de 10 milhões de vezes pelos espanhóis no Spotify. No Youtube, o vídeo da música ultrapassou 700 milhões de views, sendo um dos clipes mais vistos da história da plataforma.

Impulsionado pelo fenômeno de Propuesta Indecente, a arena Madison Square Garden — a mais prestigiosa dos EUA e a maior de NYC — ficou pequena para ele. Em julho do ano passado, Romeo fez dois shows esgotados no Yankee Stadium, reunindo 90 mil pessoas no total. Ao se apresentar no estádio, localizado a pouquíssimas quadras de onde ele nasceu e foi criado, no Bronx, Santos se junta a um seletíssimo grupo de artistas que inclui, além dele,  apenas Roger Waters (que não conseguiu esgotar o estádio duas vezes); Eminem; Jay-Z; Justin Timberlake; Madonna e Paul McCartney. Se apelarmos para tecnicalidades, o grupinho é ainda mais seleto: Jay-Z; Eminem e Timberlake nunca se apresentaram solo no estádio (Eminem se apresentou ao lado de Jay em 2010e Timberlake também se juntou ao marido de Beyoncé em 2013).

Na sua Nova Iorque natal não existe nenhum artista que venda tanto ingressos quanto Romeo. Nessa turnê, além dos 90 mil no Yankee, ele ainda fará, em julho, três shows no Barclays Center, no Brooklyn, para um total de 60 mil pessoas.

E não foi só Nova Iorque onde a demanda ultrapassou, em muito, o esperado. Em Buenos Aires, os dois shows programados para o estádio G.E.B.A., para 18 mil pessoas cada um, se transformaram em cinco apresentações completamente esgotadas, com um total de 90 mil assistentes. Sete meses depois, ainda na mesma turnê, ele voltou para os já mencionados concertos no River Plate, atraindo novamente 90 mil fanáticas. Em Santiago, a mesmíssima coisa: sete meses antes de vender, em tempo recorde, os 45 mil ingressos para seu show no Estadio Nacional, Santos tinha atraído a mesma quantidade de gente para três shows na Movistar Arena (que, originalmente, estava programado para ser apenas um). E, no México, foram 42 mil ingressos para dois shows na Arena Cidade do México, que abriram a turnê do último CD dele em março do ano passado, antes do retorno triunfal em fevereiro, menos de um ano depois, com um show para 50 mil no Foro Sol.

A popularidade de Santos é digna de atenção porque, ao contrário do que muitos pensam, o gosto do público latino nos EUA pode diferenciar bastante do gosto da América Latina e artistas hispanos nascidos nos EUA em particular tem certa dificuldade para penetrar grande parte dos maiores mercados da América do Sul (Argentina; Chile) e mesmo do México (Selena, por exemplo, o maior fenômeno da música latina dos EUA, só se transformou num gigantesco sucesso no México depois de sua morte e ela não é mainstream na Argentina, por exemplo). O fato de Romeo estar esgotando os maiores estádios de Buenos Aires e de Santiago é surpreendente.

Mesmo nos EUA, sua popularidade transcendeu barreiras. Bachata, o gênero que ele canta, sempre foi um ritmo considerado bastante rural e pouco atraente pela nova geração. Santos reverteu tudo isso. Além disso, o ritmo sempre gozou de certa popularidade na costa leste americana — onde existe uma grande concentração de imigrantes da Republica Dominicana e países caribenhos vizinhos — mas o resto do público latino dos EUA, como as gigantescas comunidades latinas no Texas e na Califórnia (que tem populações com origens predominantemente mexicanas e centro-americanas), nunca tiveram nenhum interesse ou familiaridade com o gênero. Santos, primeiro com o Aventura e depois com sua carreira solo, conquistou esses mercados e ainda influenciou uma geração de artistas novos, como Prince Royce, provavelmente o segundo cantor mais popular entre o público hispano nos EUA atualmente e que também tem fortíssima influência de bachata (Royce, assim como Santos, também é do Bronx).

Nos EUA, Romeo foi ajudado pelo seu estilo moderno. O fato dele cantar num falseto bastante associado ao R&B e ter crescido no Bronx faz muitos chamarem o seu estilo de bachata urban. Essa associação ficou ainda mais forte nos últimos anos: depois de colaborar com Usher e Lil’ Wayne no seu primeiro CD, Santos teve a participação de dois dos rappers mais quentes da atualidade no seu segundo álbum: Drake, indiscutivelmente o maior vendedor do gênero hip-hop do presente, e Nicki Minaj.  Apesar disso, ele não parece muito afim de crossover e começar a apelar para o grande público americano. Em Odio, não foi Romeo que se rendeu ao rap. Foi Drake, um dos maiores rappers da atualidade e um superstar global, que se rendeu ao bachata, cantando um fragmento considerável da música em espanhol (com surpreendente habilidade). Em Animales, Nicki também se arrisca no spanglish em seu verso (Dame un beso, yo necesito/Dominicana, Puerto Rico).

Com o status de megastar latino alcançado, a expectativa geral é que ele dê o passo seguinte e comece a cantar em inglês para um público ainda mais global. Mas a música de Romeo é tão latina de raiz que seria bastante estranho ouvi-la em qualquer outro idioma se não o espanhol. E, de qualquer maneira, mesmo com seu repertório 100% bachata en español, ele tem uma respeitável carreira internacional. Na sua atual turnê, ainda impulsionado pelo sucesso fenomenal de Obsesión faz mais de uma década, ele cantou nas maiores arenas de Paris, Roma e Milão e também fez apresentações em Hannover, na Alemanha; em Londres e em Amsterdam. Ele também fez algumas aparições em veículos mainstream estado-unidenses: ele ensinou um pouco de espanhol para Elmo em Sesame Street; cantou no Tonight Show e fez uma participação em The Bachelor. Ele teve um cameo no blockbuster Velozes & Furiosos 7. E em abril, ele fez uma grandiosa apresentação no Today Show, um dos matinais mais importantes do país.

Na TV, ele teve que dar uma moderada em suas performances que, em sua versão original, nunca seriam permitidas no prime time americano. Em seus shows, ele é conhecido por apresentações com altíssima dose de erotismo. O ápice de seus concertos é quando ele chama uma fã — pode ser gorda, magra, jovem ou velha — para uma sessão de pegação no palco. Eles se abraçam, se bolinam, as vezes se beijam e acabam de baixo dos lençóis de uma cama cenográfica. O público, óbvio, vai a loucura.

No palco, Romeo se entrega totalmente, sem nenhum pudor. Fora dele, porém, guarda sua vida pessoal a sete chaves e, diferente da maior parte dos artistas pop, ele é zero midiático. Um dos únicos momentos que  mostrou um pouquinho de sua vida particular foi quando apareceu, junto a seu filho de 14 anos, na capa da People en Español. Nem mesmo perguntas sobre sua sexualidade ele responde com muito entusiasmo. As especulações atingiram o ápice quando, no seu último CD, ele lançou a música anti-homofobia No Tiene la Culpa, um ato particularmente corajoso no mundo ultra machista e conservador latino.  Em entrevista para Billboard, ele falou diretamente sobre os boatos: “A minha relutância de responder essa pergunta faz com que as pessoas tenham certeza que estou escondendo algo. Eu não quero vender nada, só minha música. Mas não, não sou gay. Só não quero apresentar minha namorada. A única coisa que posso revelar é que não sou casado” (quem investigou afirma que ele namora, faz anos, com uma mulher anônima que vive no seu Bronx natal).

romeo santos
Na capa da Billboard, a principal publicação da indústria fonográfica americana, que o chamou de “Justin Timberlake em espanhol”

Esse enorme compromisso em manter sua privacidade é só um dos muitos aspectos que fazem Romeo tão fascinante. Nascido e criado nos EUA, com inglês como primeira língua, sua falta de interesse em crossover para o mercado global não deixa de ser outro aspecto bastante singular. De certa maneira, é quase como se ele tivesse feito um crossover ao contrário: depois de chamar enorme atenção na Europa e conquistar os EUA, ele colocou suas garras na América Latina. As cartas não estavam a seu favor — bachata, até a explosão do Aventura, era um ritmo antiquado que, to put it bluntly, era ouvido primariamente por gente pobre (motorista de ônibus; domésticas; porteiros) e rural — mas ele conseguiu reverter totalmente o jogo, mudando, no processo, a direção do pop latino. Ser Shakira — a artista latina mais conhecida e celebrada do planeta — tem suas vantagens mas, por outro lado, Romeo não precisa disso: de jatinhos particulares aos maiores estádios, tudo já está a seu alcance. Para Billboard, Romeo, que não é conhecido pela sua humildade, foi claro: “eu toco nos mesmos lugares que os maiores artistas do mundo, que a Beyoncé. Só que eu faço isso em espanhol”. Romeo, não tem porque ser modesto: Beyoncé ainda não esgotou o Yankee Stadium. Nem a Shakira.

Não acabou! Continue reading para conhecer o “herdeiro” de Romeo Santos

Continue reading Causando en Español: The king of bachata

On my pop radar: maio/2015

Esse blog tem um objetivo claro: falar de cultura pop, de um lugar (relativamente) imparcial. Quase sempre dou uns pitacos mas esses raramente são o foco dos posts. Pois então, isso é o total oposto do que vocês podem esperar dessa nova coluna do site, On my pop culture radar, que será totalmente pessoal. Como o título indica, aqui eu falarei sobre o que está no MEU radar, ou seja, o que está me empolgando e me envolvendo na cultura pop no momento: seriados; musicas; livros; filmes e demais assuntos. A idéia é que ela seja mensal mas, né? Não prometo nada. Até porque sou mega exigente e nem todo mês tem coisas que me empolgam na cultura pop.

Essa primeira coluna vai ser supersized porque, além de abril, vai incluir algumas coisinhas que me empolgaram bastante em março, a começar por….

Broad City

broad city

Full disclaimer: não tenho hábito de acompanhar seriados (*gritos de choque do público*). A minha déficit de atenção não me permite acompanhar nada por muito tempo e, sério, a maior parte das séries são ruins. Tenho amigos que acompanham cinco, seis seriados e penso “como eles agüentam?!“.

A lista de seriados que tentei assistir nos últimos tempos (últimos tempos = últimos 6 anos) é relativamente grande. Alguns, bem poucos, eu consegui assistir duas temporadas completas (Girls, não sei como nem porque e Gossip Girl… eu era jovem, não me julguem) e, outros, eu checked out no fim da primeira temporada e never looked back (Modern Family. Que eu amei com loucura no primeiro semestre de 2010 e hoje acho tosquíssimo; True Blood porque, na época, eu estava sem internet e não tinha o que fazer; Parks & Recreations, que eu gostei mas nunca tive motivação de ver mais, mesmo amando Amy Poehler e Aziz Ansari e querendo muito chegar no episódio do treat yo’ self ).

De resto, acho que nunca consegui passar de poucos episódios, seja porque achei novelesco e formulaico demais (Empire; Scandal) seja porque eu gostei do que vi mas simplesmente esqueci da existência do programa (How to Get Away with Murder. Que, alias, preciso binge watch um dia desses). Alguns seriados eu assisti o primeiro episódio e pensei “hmm, meio boring mas, a julgar pelo que as pessoas dizem, deve ficar fantástico depois. Tenho que continuar assistindo!” daí procedi a nunca mais assisti-los (Dexter, que eu sei que tem uma temporada final merda; Breaking Bad, que eu sei que tem uma temporada final mara); outros eu dozed off nos primeiros 20 minutos e desisti (Games of Throne; Orange is the New Black) e ainda teve aqueles que tentei mas simplesmente não entendi o hype (Homeland). Tem seriado que eu já vi um monte de episódio fora de ordem e penso “tão divertido! Um dia tenho que assisti-lo na integra” e daí nunca o faço (30 Rock; The Office) e outros vejo a repercussão e os números e concluo que  “nossa, todo mundo fala que é tão bom! Tenho muito que acompanhar!” mas no fundo penso “eh… not really” (True Detectives; Walking Dead). Alguns até comprei o DVD (em tempos pré-Netflix/Popcorn Time) e assisti — e gostei — do primeiro episódio antes de nunca mais tocar nele (Downton Abbey. Alias, pena que comprei em Londres, pq bem que eu poderia devolver…. apesar de que duvido que eles aceitassem devolução de algo comprado em 2010, né).

Como você pode ver, eu sei os seriados que bombam e todo mundo curte. E eu tento (a não ser que sejam Two and a Half Man ou Big Bang Theory. Esses podem arder no mármore do inferno). Mas não costuma dar muito certo. Toda vez que vejo a lista de seriados do Netflix ou do Popcorn Time vejo dezenas de coisas que eu penso “quando eu tiver tempo…”. Mas daí, quando tenho tempo, prefiro fazer outras coisas. E quando, por algum acaso, decido ver um seriado, em geral fico inquieto e numa vibe tipo “poderia estar fazendo coisa melhor” e “preciso de uma Ritalina para assistir isso”.

Enfim, não sou de ver seriado. Mas, quando vejo, daí prefiro comédia hands down. Elas me atraem porque são fáceis de assistir e são leves. Com drama, eu sou exigente e espero muito do roteiro. É muito fácil cair em formulas fáceis; inverossímeis e clichês. Comédias, por outro lado, só têm um pré-requisito: me fazer rir. Me fez rir, cumpriu sua função.

broadcitycover2

Mesmo assim, isso não significa que eu assista muita comédia. Mesmo as que me fazem rir, eu nunca assisti integralmente ou então, assisto numa velocidade penosa, super lenta (ainda to tipo no sexto ep de The Unbreakable Kimmy Schmidt que eu sei que vocês todos assistiram em tipo um dia). Mas um seriado recente foi paixão a primeira assistida: Broad City. Foi o primeiro seriados em ANOS onde eu esperava de madrugada, ansiosamente, pelo novo episódio. Vi tudo assim que foi lançado, amei muitíssimo e ainda não o superei (a segunda temporada já acabou faz mais de um mês. E a terceira, só em janeiro do ano que vem).

Broad City é criado por Ilana Glazer e Abbi Jacobson, que interpretam versões um pouco humoristicamente exagerada delas mesmo. No seriado, Ilana e Abbi são duas garotas que vivem em Nova Iorque cujas vidas são uma bagunça infinita (eu me identifquei plenamente e sei que não fui o único), mas, mesmo assim, estão dispostas a se divertir ao máximo e tirar proveito de qualquer situação. Abbi é mais certinha e conta com o estimulo de Ilana, que é bem porra louca, para sair de sua zona de conforto. Juntas, elas são hilariantes, passando por todo tipo de aventura na selva urbana que é NYC.

O seriado é tudo que eu amo: urbano; identificável; inteligente; inovador; sem papas na língua; hilário. Ouvi falar dele pela primeira vez no começo do ano passado, logo depois que a primeira temporada tinha sido concluída nos EUA. No Twitter, tava todo mundo buzzing about it, até Lady Gaga (que proclamou que Broad City era seu programa favorito. Natalie Portman foi outra que disse a mesma coisa) e resolvi ir checar o que todo esse hype was about. Assisti a primeira temporada em tempo recorde.

Um ano se passou e a segunda temporada chegou. Eu gostei da primeira temporada mas nem me empolguei tanto assim com a chegada de novos episódios. Primeiro, porque já tinha se passado tanto tempo e, segundo, porque eu achei que a qualidade foi caindo ao longo da primeira temporada.

Mas bom, fui lá assistir os novos episódios e, pqp, meu amor pela serie foi consolidado, cristalizado e oficializado com uma série de tatuagens pelo meu corpo, incluindo Broad City, amor verdadeiro amor eterno no meu pé. A primeira temporada foi boa mas a segunda, na minha opinião, à excedeu. Certos episódios (tipo o do consolo) eu ainda rio só de pensar sobre.

broad city

Mais do que a qualidade do seriado em si, ele me empolga pela quantidade de talento carne fresca que ele introduziu, começando pelas próprias Abbi e Ilana, altamente talentosas e que estão dando um fresh take e uma nova roupagem à comédia americana. Ambas estão escrevendo filmes no momento e acho que a indústria de entretenimento só tem a ganhar. Elas oferecem uma nova perspectiva e acho isso positivo e super importante para combater a estagnação que a indústria sofre de maneira geral.

Alias, sendo sincero, o talento de Abbi e Ilana me “irritou” um pouco. No seriado, elas são super identificáveis com a vida messy delas mas, na real, elas são gênias e roteiristas e showrunners super eficientes e accomplished. Absurdo elas nos enganarem e fazer a gente acreditar que elas são just like us quando, na real, elas são bem mais talentosas.

Mas bom, inveja aside, Ilana e Abbi, e todo o talento delas, são mais do que bem vindas. E a nós, resta tentar colocar nossas vidas em ordem e esperar a terceira temporada. Espero que ela seja igualmente boa, porque senão vou começar a me arrepender de todas as tatuagens que fiz….

(e não gente, não fiz nenhuma tatuagem relacionada a Broad City (ainda). Foi só uma piadinha).

Como faço para assistir Broad City?: olha, eu sempre costumo incentivar a opção legal, seja no Netflix ou no site oficial da emissora. Mas, como essa opção não existe no Brasil, todos os episódios estão disponíveis aqui ou, se você prefere vê-los legendados (tanto em português quanto em inglês), no app Popcorn Time.

Amy Schumer

schumer

A primeira vez que vi Schumer foi em algum episódio de Girls, no comecinho de 2013. Alguém comentou que ela era uma comediante muito divertida e, por algum motivo, resolvi ir atrás do trabalho dela. Achei o stand-up Mostly Sex Stuff e, logo nos primeiros cinco minutos, já estava rendido e apaixonado. Claramente não fui o único porque, desde que o especial cômico dela foi ao ar, a carreira dela despontou de maneira absurda.

Esse mês, Amy foi nomeada uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista TIME e está prestes a lançar um filme, estrelado e roteirizado pela própria, com direção do celebradíssimo Judd Aptow e participações de Jon Heder; Vanessa Bayer; LeBron James; Ezra Miller; Tilda Swinton; Marisa Tomei e Daniel Radcliffe. Ela também tem um bem-sucedido programa de sketchesInside Amy Schummer, que acaba de estrear sua terceira temporada e tem tido momentos de enorme repercussão, como a paródia de Friday Night Lights; o vídeo que satiriza a obsessão atual da cultura pop americana com bundas e, claro, o segmento que teve participação de Tina Fey, Julia Louis-Dreyfus e Patricia Arquette.

Apesar de me divertir com alguns sketches, nunca acompanhei ou me entusiasmei muito com o programa de Schumer. Mas, mesmo assim, fui lembrado o quanto a adoro com as várias aparições que ela fez nas últimas semanas para promover tanto o filme quanto o seu programa. Ela está completamente apaixonante na capa da Entertainment Weekly e foi o único ponto positivo de um chatíssimo MTV Movie Awards (“metade de vocês não tem idéia de quem eu sou; a outra metade acha que eu sou a Meghan Trainor”). Além disso, seu mini-stand up no A Night of Million Stars foi maravilhoso. O filme dela, Trainwreck, foi muitíssimo bem-recebido no SXSW e chega aos cinemas dos EUA em julho.

Assim como Abbi e Ilana, Schumer é uma muito bem-vinda voz da nova geração de cômicos americanos. E, por favor, que ela continue ganhando especiais televisivos porque os stand-up dela me matam de tanto rir.

Natasha Leggero

leggero

Como vocês podem ver, sou um gigantesco fã de comediantes mulheres. Eu nunca compartilhei da ideologia de que “mulheres não são engraçadas˜, primeiro porque eu não sou babaca e segundo porque todas as minhas humoristas favoritas — Tina Fey; Amy Poehler; Mindy Kailing — são mulheres. Então, é com muita felicidade que eu vejo essa nova era da indústria cômica americana onde mulheres, que foram discriminadas por tanto tempo, estão cada vez ganhando maior protagonismo. A revelação do momento parece ser Chelsea Peretti, que está em Brooklyn Nine-Nine e acaba de ganhar um especial no Netflix (além disso, ela é irmã do fundador do Buzzfeed!) mas, apesar de que a acho muito talentosa, o humor brando dela não é exatamente o meu tipo, que pefiro algo um pouco mais…. ácido? Como, por exemplo, o da fantástica Natasha Leggero.

Minha introdução a Leggero foi através do roast do Justin Bieber, exibido no finalzinho do ano passado. Roasts, para quem não sabe, são especiais televisivos onde alguma personalidade é “homenageada” por comediantes através das piadas mais ofensivas e absurdas possíveis. Nunca tinha assistido nenhum roast mas, pelo que vi no documentário da Joan River ou li sobre no livro de Mindy Kailing, nunca fui grande fã da idéia.

Mas, por algum motivo, fiquei curioso para ver o roast do Bieber. As piadas que tinham sido filtradas na imprensa realmente me fizeram rir (eu ainda estou puto que a melhor piada do ato do Hannibal Burress foi cortada, alias) e, né? Justin é exatamente o tipo de pessoa que a gente quer ver levar umas patadas.

O especial, como um todo, foi bastante divertido. Sim, teve as piadas sexistas desnecessárias e algumas coisas de mal gosto mas, no geral, foi bem engraçado e quase todos os participantes me fizeram rir. Martha Stewart arrasou e Pete Davidson e Hanniball também foram divertidos mas minha favorita foi, sem duvida nenhum, Natasha Leggero. O set dela foi tão bom que eu revi ele umas três vezes e fui atrás do especial do Comedy Central dela (muito divertido). Mesmo se o resto do roast fosse uma porcaria, ele já teria valido a pena por me apresentar a ela. Espero que, assim como Schumer, ela seja abraçada pela indústria e tenha a chance de mostrar ao mundo todo seu potencial.

Podcast Serial

serial

Até recentemente, mal sabia o que era um podcast e nunca tinha me interessado pelo conceito. Sei lá, a idéia de ouvir alguém falando coisas no seu ouvido através do seu reprodutor de MP3 ou celular — tipo um programa de rádio — me parecia meio dispensável.

Mas, no fim do ano passado, um podcast em especifico, Serial, parecia estar dominando todas as conversas. Todo mundo estava dizendo que era fantástico e ele estava sendo parodiado no Saturday Night Live e, pasmén, até pela Sesame Street. Curioso como sou, claro que fui atrás para ver do que ele se tratava e o que li sobre o conceito — uma investigação sobre um assassinato envolvendo adolescentes de Baltimore em 1999 — me deixou intrigado. Parecia interessante e diferente. Mas ai fiz o que em geral faço: me prometi que ia ouvir quando tivesse tempo e daí esqueci sobre a existência dele.

Mas not really. Por algum motivo, Serial ficou na minha cabeça e, semana passada, tinha que levar meu cachorro para passear e queria algo para ouvir e me distrair. Ao invés de escutar alguma playlist do Spotify, me lembrei de Serial e pensei “porque não?”. Baixei o app de Podcast da Apple no meu celular, peguei meu fone e saí.

Cinqüenta minutos depois e estava completamente viciado. Tinha entendido porque esse podcast em específico tinha causado tanta comoção e porque gente como Beau Willimon, criador de House of Cards, e Danny Zucker, produtor de Modern Family, tinham proclamado Serial o “melhor programa de 2014”, mesmo sem ele nunca ter sido exibido na TV (e alias, apesar de várias ofertas de Hollywood, os produtores negaram todas). Ouvi os 12 episódios seguintes em três dias e, graças a eles, todos aqueles momentos de ficar preso no trânsito ou ter que ir passear com o cachorro ficaram enormemente prazerosos. Fazia anos desde que eu não ficava tão envolvido com algo.

Serial investiga o assassinato de Hae Min Lee, uma popular e querida estudante de 18 anos na cidade americana de Baltimore. Seu ex-namorado, Adnan Syed, foi acusado de tê-la matado e condenado a prisão perpetua. Quinze anos depois, uma advogada, amiga de infância de Adnan, entrou em contato com a jornalista Sarah Koening, produtora do prestigiado This American Life, e chamou a atenção dela para a história. Junto com sua equipe, Koening começou a reinvestigar o caso e achou vários buracos que fazem dele muito mais complicado do que ele parecia a primeira vista.

O podcast é contado através de 12 episódios e cada um deles foca num aspecto do caso. Koening é quem guia o ouvinte e ela faz isso com maestria. Cada capitulo é muitíssimo bem contado e, além da narração da jornalista, eles contam com entrevistas com várias pessoas próximas aos jovens envolvidos, inclusive com o próprio Adnan, que cedeu horas e horas de entrevista direto da penitenciária onde cumpre sua pena. Claro que a expectativa é que, ouvindo o podcast, cheguemos a uma conclusão sobre a culpa de Adnan mas, óbvio, isso é muito mais complexo do que parece. De qualquer maneira, todos os episódios vão te manter on the edge of your seat e, apesar da história dark, ela é contada de uma maneira muito leve e envolvente, com momentos engraçados e tocantes (é difícil não chorar no episódio 9).

Claro que o lado negativo do podcast é que ele é integralmente em inglês e, por ser apenas audio, ele não tem legendas. Contudo, se você tem o nível de fluência necessário, faça a si próprio esse favor e comece a escutar Serial. Te prometo que você não vai se arrepender e ainda vai transformar todos aqueles momentos penosos — ficar preso no trânsito; estar no transporte público; fazer jogging — em momentos de muito prazer. Você pode baixá-los gratuitamente através do seu app de podcasts favorito ou, se preferir, pode ouvir todos no site oficial do programa.

Drama japonês Date

date

Adoro ver seriados bem-sucedidos de países além dos EUA. Já assisti seriados espanhóis, dinamarqueses, suecos, ingleses, australianos e franceses e novelas argentinas, colombianas e sul-coreanas. São uma ótima oportunidade para expandir a perspectiva e se familiarizar com métodos alternativos de produção e de storytelling e sair desse vício que tudo deve ser made in USA.

Dentre todos esses mercados estrangeiros, um dos que eu sou mais familiarizado é com o japonês. Sempre tive enorme interesse pela cultura nipônica e, entre 2005 e 2007, assisti um monte de doramas (do inglês, drama). Daí, como aconteceu com as produções americanas, fiquei cansado dos clichês e formulas do gênero e perdi um pouco do entusiasmo. Mesmo assim, até hoje, ainda acompanho as audiências, o que está causando burburinho e as novas ofertas e volta e meia assisto algum episódio.

Alias, parênteses para explicação. No Japão, as ficções televisivas são todas conhecidas como dramas, independentemente do gênero. Os dramas japoneses costumam ser semanais, ter entre 10 e 12 episódios e são sazonais. Ou seja, as ofertas se renovam completamente a cada nova estação e, mesmo os mais bem-sucedidos raramente tem novas temporadas (apesar de que continuações cinematográficas estão cada vez mais populares). Os dramas, junto com programas de variedade, são um staple da TV japonesa e todas as emissoras têm suas apostas, sempre contando com os atores e celebridades mais badalados do momento. Gêneros populares incluem comédias românticas, dramas investigativos e policias e dramas médicos.

No começo desse ano, e estava dando uma olhada no que tinha de novo e, por algum motivo, Date, uma comédia romântica que seria exibido na Fuji TV num dos horários de maior destaque, chamou minha atenção. O porque eu não sei ao certo mas talvez tenha tido a ver com o fato de estrelar Anne, uma atriz super badalada e que eu estava curioso para ver em ação..

Date, como já disse, é uma comédia romântica. Ou seja, as chances de eu gostar eram bem baixas. Primeiro porque doramas românticos, com algumas exceções, são lentos e eu não tenho muita paciência. E segundo porque, de modo geral, a comédia japonesa — espalhafatosa e exagerada — não é minha praia. Mas, mesmo assim, fiquei curioso e, quando o primeiro episódio legendado foi disponibilizado em algum site especializado, fui assistir e gostei. Daí resolvi ver o segundo episódio e, nossa, gostei muito. A cada episódio novo eu ia gostando mais e mais e mais e, quando me dei conta, eu tinha concluído o dorama inteiro.

Acho que a essa altura já ficou bem estabelecido que eu tenho o pior attention span do mundo. Apesar de já ter assistido os primeiros episódios de dezenas de dramas, dá para contar nos dedos das mãos a quantidade dos que eu concluí. Dentre esses, uma parcela foi por obrigação, como um desafio para eu mesmo. Então terminar Date e não perder a empolgação ao longo dos dez episódios foi um huge deal para mim.

Date é a história de duas pessoas sem nenhum tipo de habilidade social com um objetivo em comum: se casar. Hasegawa Hiroki interpreta Takumi Taniguchi que, aos 30 anos, é um NEET e um hikkimori. NEET é uma sigla muitíssimo usada no Japão que significa Not in employment or education, ou seja, são desempregados que não tem a intenção de arranjar trabalho e são sustentados, quase sempre, pelos pais. Já hikkimori é um problema social bem grande no país e descreve pessoas, em geral homens, que se isolam em seus quartos e simplesmente abdicam completamente, para o resto da vida, de qualquer tipo de integração ou contato com o resto da sociedade. Estima-se que existam mais de 1 milhão de hikkimoris no Japão atualmente e, claro, são todos NEETs.

Em contrapartida, Anne é Yoriko Yabushita que, diferente de Takumi, é altamente bem-sucedida e ambiciosa. Ela é uma gênia da matemática e tem um ótimo cargo público, além de se ser extremamente disciplinada; obstinada e exigente consigo mesmo. Porém, ela não tem nenhum tipo de habilidade social e tem um jeito bastante particular, as vezes quase robótico, de lidar com o mundo e com as pessoas.

Ele quer se casar simplesmente para ter alguém, que não seja a sua mãe, para o sustentar. Já ela quer se casar porque, obstinada do jeito que é, se prometeu que iria ter um marido antes dos 30 para assim realizar o desejo de sua falecida mãe, que era tão (ou ainda mais) genial quanto ela e ainda tinha o bônus de ser normal (Yoriko vê a mãe como uma rival, mesmo já tendo se passado mais de uma década desde seu falecimento). Nenhum deles acredita que amor é um elemento essencial para um casamento e ambos encaram o matrimônio como um contrato social. Por tanto, depois de se conhecer num site de relacionamento, eles concordam em se casar, mesmo não nutrindo nenhum tipo de amor entre os dois.

Apesar de ter alguns elementos que pareçam dark, Date é HILÁRIO. Eu ri muito e, como já disse, não costumo gostar de comédia japonesa. Além disso, os roteiros são fantásticos; os personagens, além de divertidos, são MUITO bem desenvolvidos e é muito difícil não se encarinhar e torcer por Yoriko e Takumi. É muito legal ver o relacionamento deles ir crescendo e ambos indo influenciando um ao outro e aprendendo a serem pessoas mais flexíveis e sociáveis.

Assistir Date na integra foi muito fácil (e, em geral, não é nada fácil para mim assistir nada na integra) e tenho que parabenizar o autor, os produtores e o elenco por um trabalho fantástico. Fiquei com vontade de assistir outros trabalhos de Ryota Kosawa, o roteirista, particularmente Suzuki Sensei. Mas bom,  vou deixar isso para quando eu tiver tempo….

O vídeo de American Oxygen da Rihanna

Eu sou uma das milhões de pessoas esperando ansiosamente pelo novo álbum de Rihanna. Depois de ser mimado por anos e anos com lançamentos anuais (que nunca decepcionavam), estava foda agüentar essa seca de música nova, que já durava dois anos.

Mas, quando ela lançou, de surpresa, o primeiro single do novo álbum, FourFiveSeconds, que tinha participação de Kanye West e Paul McCartney, fiquei bastante decepcionado. Depois de dois anos, eu queria algo enlouquecedor, que colocasse fogo na pista de dança e snatched our weaves. Ao invés disso, tivemos uma música mais propícia para cantar com o violão em volta de uma lareira. Boring.

A segunda música lançada, Bitches Better Have My Money, era mais empolgante mas ainda não acertava o ponto. Sem falar que o lançamento deixou claro a bagunça que ia ser a estratégia de promoção desse novo álbum. Tá, OK que ela quer ser inovadora mas sério, tá muito ruim isso ai, Rih, essas estratégias tão todas erradas e acabando com todo seu momentum, que estava num peak moment depois de todo esse tempo de espera.

A terceira música lançada foi American Oxygen. Muita gente não gostou, achou repetitiva e super-produzida demais. Eu adorei. Mas, dentre todas as músicas lançadas, ela teve o pior lançamento, resumindo bem a bagunça da estratégia da equipe da cantora que, depois de todos esses anos, parecem ter perdido a habilidade de promover uma das maiores estrelas pop da atualidade. Para começar, a música foi lançada com uma performance ao vivo que deu muito errado. Daí, ela foi lançada oficialmente, junto com o vídeo, exclusivamente no Tidal que, como nós já estabelecemos, é um fracasso.  Isso só serviu para garantir que a música fosse lançada sem nenhum buzz. Alguns dias depois, a canção e o vídeo foram disponibilizados no YouTube e no iTunes mas ninguém notou porque eles já tinham arruinado o hype inicial e o iTunes se recusou a promover a música na sua página de entrada porque um concorrente (o fracassado Tidal, no caso) tinha tido o lançamento exclusivo.

Mas falando de coisas boas… eu gostei da música. Mas eu só amei ela DE VERDADE depois de ver o vídeo, que eu achei poderosíssimo e super bem feito. A justaposição entre a letra e os visuais é fantástica e, apesar de ter ouvido críticas, dizendo que o vídeo era muito apelativo, eu adorei e achei um ótimo repasso pela história dos EUA, sem whitewash as suas mazelas e exaltando aquilo que é um dos principais pontos fortes dessa superpotência: a sua diversidade e seus imigrantes (como a própria Rihanna), que ajudaram a construir o país e fizeram dele o melting pot que ele é hoje em dia. Achei maravilhoso. Uma pena que foi prejudicada pela estratégia de lançamento desastrosa.

Pull your shit together Rih! E libera logo o R8 que nós estamos afoitos!!

Electra Heart da Marina & the Diamonds

leggero

Os últimos meses foram repletos de lançamentos musicais empolgantes. Teve o EP surpresa de Drake, If You’re Reading This Is Too Late, que quebrou recordes de venda e manteve a qualidade top-notch que eu espero do rapper canadense. Teve How to Pimp a Butterfly, o novo CD de Kendrick Lamar, considerado (justamente) o melhor rapper da atualidade. Teve Title, o primeiro CD de Meghan Trainor (de All About That Bass fame) que eu estava afim de detestar (Meghan me irritava, sorry) mas acabei amando. Apesar de tudo isso, o meu álbum favorito do momento foi lançado em, pasmén, 2012(!!).

Sim, eu sei que a própria Marina acaba de lançar um novo CD, Froot, mas nem ouvi porque minha obsessão com Electra Heart é tanta que eu nunca conseguiria dar uma fair chance para o novo material. Que coisa, né?

Em minha defesa, eu só fui realmente apreciar o álbum no ano passado, enquanto viajava sozinho pela Europa. Até então, apesar de já tê-lo ouvido algumas vezes e ter gostado de alguns singles, eu nunca tinha dado muita bola a ele. Mas ano passado aprendi a apreciar o CD como ele realmente deve ser apreciado: como uma obra de arte do pop. Sério, todas as músicas são catchy e perfeitas. É tipo um CD da Katy Perry, só que com substância.

Obrigado Marina por esse diamante! (e sim, esse trocadilho foi propositalmente rídiculo. #MeDeixa!).

E em maio…

schumer

O que eu estou mais looking forward to em maio é a novela argentina Entre Canibales. Acho que vai ser muito interessante ver uma telenovela dirigida e produzida por um ganhador do Oscar, no caso, Juan Jose Campanella, responsável pelo ótimo O Segredo de seus Olhos (premiado na categoria Melhor Filme Estrangeiro em 2010). A novela conta a história de Ariana, interpretada por Natalia Oreiro, que pretende se vingar do homem que a estuprou durante a adolescência e que, agora, é um político poderoso, candidato a presidência da Argentina.

Será uma super produção, gravada em 4K e com distribuição internacional pela Sony. Três grandes nomes da TV argentina — Oreiro; Joaquín Furríel e o chileno Benjamin Vicuña — interpretaram os papéis principais e a Telefe, emissora responsável pela trama, não está poupando nenhum centavo. Até o título da novela deixa isso claro: Entre Canibales é uma música do Soda Stereo, a banda mais bem-sucedida da história da Argentina (e, indiscutivelmente, da América Latina inteira) e, claro, a canção servirá como música tema da novela. Só os royalties pelos direitos das canções da banda de Gustavo Ceratti já devem ter custado uma fortuna e outras músicas do grupo serão utilizados como trilha-sonora.

Serão 140 capítulos, todos já escritos, e claro o objetivo é enfrentar o furacão turco no canal rivalMil y una Noches, que atualmente é líder de audiência da TV local.

Causando na TV latino-americana: teledramaturgia turca

A primeira vista, a Argentina, o Chile, o Afeganistão e o Paquistão são países que não têm quase nada em comum entre si. O gosto televisivo deles, contudo, parece bastante similar: produções turcas dominam a lista de maiores audiências da TV em todos. Mas enquanto o Paquistão e a Turquia são relativamente próximos, tanto geograficamente quanto culturalmente, é difícil entender como a teledramaturgia de um país tão distante conseguiu conquistar de maneira avassaladora o Chile e a Argentina, dois mercados televisivos latino-americanos altamente importantes e bastante concorridos. Por incrível que pareça, Avenida Brasil é chave para entender a ascensão das novelas turcas na América do Sul.

Dentre todos os países latino-americanos, acho que nenhum país é tão orgulhoso de suas produções próprias quanto o Brasil. E é verdade, temos mesmo muito o que nos orgulhar: num país tão fragmentado como o nosso, a teledramaturgia une todas as classes sociais em frente a TV. Temos produção de ponta; exportamos nossas novelas para o mundo todo e ainda por cima ganhamos um montão de Emmy. Acontece que o nosso orgulho acaba contribuindo para que tenhamos um complexo de superioridade. E esse complexo faz com que nem prestemos atenção aos nossos concorrentes de continente.

Sim, as produções mexicanas são muito precárias e formulaicas mas desbancam a Globo como os maiores exportadores e maiores produtores de novela do mundo. Sim, a Argentina não tem 1/10 do tamanho do nosso mercado e nem 1/10 dos nossos orçamentos mas, com muito menos dinheiro que a gente, eles fazem teledramaturgia com produções impressionante, são considerados um polo de produção a nível global (não a toa, as sedes da Disney e da Endemol na AmLat ficam lá)  e são um dos maiores vendedores de formato do mundo (desbancando fácil o Brasil). Sim, a Colômbia tem ainda menos orçamento mas muitas novelas deles têm aclame e repercussão mundial (Café con Aroma de Mujer; Pasión de Gavilanes) e é deles a novela mais bem-sucedida da história, Betty a Feia, que foi adaptada com sucesso extraordinário em países tão diversos como Alemanha, Holanda, México, EUA e China.

Um país que não mencionei acima foi o Chile. A quarta maior economia da América Latina e a mais consolidada (é o único país da America Latina que não precisa de visto para entrar nos EUA), o Chile tem quatro canais grandes que costumam investir em produções próprias. Mas o país não tem a tradição do Brasil, do México e da Colômbia, nem o expertise da Argentina e, por isso, a sua dramaturgia não chama muita atenção no panorama global. Além disso, a boa economia deles faz com que se acomodem. Diferentemente da Argentina, que tem um mercado publicitário muito abalado por sucessivas crises e precisa vender e produzir seus programas para mercados externos, o Chile tem um mercado saudável, um bolo publicitário muito grande e nenhuma grande necessidade de vender formatos, nem novelas. Muito pelo contrário, a impressão é que eles consomem mais do que exportam pois são, afinal de contas, um dos maiores compradores de formatos da Argentina.

Isso não quer dizer que eles não vendem nada — várias sucessos recentes do país foram adaptados pela Telemundo, como Donde Esta Elisa, Alguién que te Mira e Las Vegas e eles também tem vendido vários formatos para a Colômbia e para o México — mas, dentre todos os grandes mercados latinos, os chilenos com certeza são os que têm a teledramaturgia menos estabelecida. Um dos lados positivos disso é que eles têm menos medo de arriscar. E esse lado destemido deles foi o responsável por trazer uma novela turca que começou uma mini revolução no mercado televisivo latino-americano.

2013: Pablo Escobar e Avenida Brasil dominam o Chile

Tudo começou em 2013. O Chile sempre comprou novelas do Brasil, do México, da Colômbia e da Argentina mas as estrelas da TV local sempre foram as produções próprias. Mas, em 2013, as coisas foram diferentes e a teledramaturgia chilena foi completamente ofuscada por duas produções internacionais: Pablo Escobar, El Patrón del Mal, da Colômbia, e Avenida Brasil, do Brasil (duh).

Avenida Brasil dispensa apresentações. Apesar de que, desde os anos 70, as produções brasileiras têm espaço e público fixo na TV chilena, há muito tempo uma novela tupiniquim não tinha tanta repercussão. Mas a novela de João Emanuel Carneiro, com sua impressionaste produção e trama extremamente clássica de amor e vingança, conquistou os chilenos a tal ponto que o 13, canal que exibia a novela, começou a fragmentar os capítulos em diversas partes na esperança de estender a duração da novela (e, consequentemente, os resultados de audiência espetaculares obtidos por ela). As horas de “cenas do capítulo anterior” e os poucos minutos de cenas inéditas não abalaram em nada os números de sintonia e, quando finalmente chegou a hora do capítulo final, ele foi exibido em horário nobre (a novela era exibida a tarde) com números recordes de audiência.

A colombiana Pablo Escobar: El Patrón del Mal, sobre um dos traficantes mais celebres da história, também não ficou muito longe em termos de sucesso, lançando bordões e conquistando o prime time da TV local.

2014: a invasão da Argentina

Ao mesmo tempo que Avenida Brasil chegava ao fim no Chile, a novela desembarcava na Argentina, na Telefe, um dos principais canais do país. Fazia anos desde a última vez que a emissora apostou numa produção brasileira mas o sucesso da ficção nos dois países vizinhos (nós e o Chile, no caso) os motivou a lançar a trama com uma enorme campanha de marketing e como ponto focal da programação de fim de tarde do canal. E a aposta deu resultado: rapidamente, Avenida Brasil era a maior audiência da TV argentina, superando todas as produções locais do horário nobre. Era a primeira vez em quase uma década que um programa internacional liderava as audiências locais (desde a colombiana Pasión de Gavilanes em 2005). Quando Showmatch, o programa de variedade e incontestável líder de audiência da TV local, estava prestes a começar sua nova temporada no canal rival, o Trece (não confundir com o 13 chileno), a Telefe não titubeou em mover a novela brasileira para o horário nobre para enfrentar a oposição. Pela primeira vez, a Telefe colocou uma produção internacional no seu horário noturno central.

A jogada se provou certeira, com a novela global brigando de igual para igual com o programa mais celebre da TV local e, na maior parte das vezes, ganhando da concorrência. O sucesso foi tão gigantesco que o canal levou o elenco para Buenos Aires para apresentar o capitulo final na frente de 8 mil fanáticos no estádio Luna Park e Avenida Brasil foi coroado como o maior fenômeno da TV argentina ao longo de 2014.

O sucesso de Avenida Brasil serviu para destacar o ano fraquíssimo das produções locais argentinas, que penavam em chamar a atenção do público local. Um dos poucos destaques de ficção na TV argentina em 2014 foi a colombiana Pablo Escobar: El Patrón del Mal. Diferente do Chile, onde foi exibida num canal grande, Escobar foi comprada na Argentina pelo Canal 9, um canal com audiências bem insignificantes.  Mesmo assim, a novela conseguiu a façanha de triplicar as audiências do horário nobre da emissora e incomodar o Trece, um dos dois grandes líderes.

As turcas desembarcam no Chile

Enquanto Avenida Brasil e Pablo Escobar repetiam, na Argentina, o sucesso que tinham obtidos no Chile, os canais chilenos estavam com dificuldade para repor os dois fenômenos. Inicialmente, ambas as emissoras apostaram no que parecia seguro: o Mega substituiu Escobar por outra narco-novela colombiana, El Cartel de los Sapos, e o 13 (não confundir com o Trece argentino) substituiu Avenida Brasil por outra novela brasileira, Salve Jorge. Ambas decepcionaram e ficaram distantes do enorme respaldo obtido pelas suas antecessoras. E foi ai que a Mega resolveu chutar o balde e apostar no incerto, comprando a novela turca Binbir Gece ou As Mil e Uma Noites. Assim como Avenida Brasil, As Mil e uma Noites tinha uma produção grandiosa e uma história de romance clássica cheia de sensualidade. Se a novela brasileira dublada virou um fenômeno para o 13, porque a turca não poderia repetir esse sucesso para o Mega?

O risco provou-se uma das decisões mais acertadas já feitas pela emissora e, em poucas semanas, Las Mil y una Noches estava obtendo números recordes de audiência, superando inclusive os números obtidos por Avenida Brasil e Pablo Escobar um ano antes. A novela estreou em fevereiro do ano passado e chegou ao fim na primeira semana de 2015. Ao longo dos seus 180 capítulos, teve uma média de 28 pontos, alcançando um pico de quase 39 pontos em um dos capítulos finais em dezembro. Como comparação, o fenômeno Avenida Brasil teve média de 13 pontos e Escobar teve 15, ambos com picos de 26 pontos em seus respectivos capítulos finais.

A internacionalização do horário nobre argentino

Quando Avenida Brasil chegou ao fim na Argentina, em julho de 2014, a Telefe devolveu seu horário nobre para as produções locais, com duas grandes apostas: o romance  Camino al Amor, que reunia os protagonistas e a equipe do mega hit de 2012 do canal, Dulce Amor e a comédia Viudas y Hijos del Rock&Roll, que reunia os protagonistas e a equipe de outro mega hit de 2012 do canal, Graduados. Mas, infelizmente, a tentativa da Telefe de voltar o relógio para 2012 não deu muito certo. Mesmo assim, eles não desistiram e, para 2015, resolveram continuar a tentativa de voltar a tempos de glória passados, dessa vez com a intenção de repetir os resultados de 2014. Para isso, eles voltaram a ceder o horário nobre para uma novela da Globo, Rastros de Mentira (título internacional de Amor à Vida).

A emissora concorrente, Trece (não confundir com o 13 chileno) teve mais visão e notou que o que dava certo no Chile, tinha grandes possibilidades de dar certo na Argentina. Por isso, o canal apostou em Las Mil y una Noche. Foi a primeira vez na história recente que os dois principais canais argentinos apostaram em títulos internacionais (ou latas, como eles chamam) para o horário central. Ambas as produções estrearam juntas, no dia 5 de janeiro. Rastros levou vantagem com 11.5 pontos, mas Noches teve resultado digno, com 10.6 pontos. Mas, enquanto a brasileira ficou estacionada nos 11 pontos, a novela turca decolou e, em sua terceira semana, já está na casa dos 19 pontos de audiência, sendo o programa mais visto da TV argentina.

¿”Las mil y una noches” es la nueva “Avenida Brasil”?, perguntou o jornal Clarin, o periódico mais importante do país. “Nos bares, nos elevadores e nos escritórios, todos falam de Onur e Sherezade como se estivessem falando de João e Maria. E quando a naturalidade dos nomes da ficção se impõem, o fenômeno fica claro”, resumiu a publicação.

As novelas turcas; as novelas brasileiras e a TV latino-americana

Ainda é muito cedo para dizer se as novelas turcas vieram para ficar. Mas, a julgar pelo Chile, parece que sim: com o fim de Las Mil y una Noches, a Mega apostou em duas outras produções turcas, Fatmagul e Ezel. Ambas atualmente lideram com folga a lista de programas mais vistos no país e consolidaram o Mega como o canal mais visto do Chile, elevando toda a programação noturna da emissora. Em breve, uma terceira produção turca, Sila, estreará na faixa diurna do canal. As emissoras rivais também se renderam:  a atual novela do horário central do 13 é a épica El Sultán (Muhteşem Yüzyıl) enquanto o Chilevision investiu em Tormenta de Pasiónes (Öyle Bir Geçer Zaman Ki). Enquanto isso, na Argentina, a Telefe já mostrou que também entrará no jogo e se antecipou ao Trece, comprando os direitos de Fatmagul.

Avenida Brasil (re)abriu muitas portas para a Rede Globo. Foi a primeira vez que uma produção brasileira liderou a audiência da TV argentina e foi um retorno triunfal para as novelas globais na Telefe, que, graças ao sucesso de AvB, continua apostando em títulos brasileiros nas faixas diurnas e noturnas. No Chile, que sempre teve faixas fixas para dramaturgia brasileira, o interesse nas produções nacionais foi revivido. Depois de anos sem emplacar uma novela na TV colombiana, Avenida Brasil se instalou no horário nobre de um dos principais canais locais com grande sucesso. No México, foi a primeira vez que uma novela da Rede Globo foi exibida na TV aberta e o sucesso da trama de JEC significou a abertura de um horário noturno para nossas produções. Isso sem contar os números altíssimos no Uruguai, na Venezuela, no Peru, no Paraguai….

A questão é que, assim como no Brasil, onde Avenida Brasil reviveu muito momentaneamente o interesse maciço do público em novela das 8, a Rede Globo não parece ter produções igualmente fortes para prender o interesse dos espectadores mundo afora. Avenida Brasil não é a regra e sim a exceção. Sim, Amor à Vida está tendo resultados dignos nos países que está sendo exibido e, ainda em 2015, João Emanuel Carneiro volta com uma nova trama mas a verdade é que a herdeira do apetite do grande público latino-americano por grandiosas produções internacionais não parece ter sido a Globo, que foi a pioneira da tendência, e sim a Turquia.

Em todo o caso, o mercado brasileiro é forte e gigantesco o suficiente para a Globo não ter praticamente nenhuma dependência do mercado externo. O sucesso internacional é apenas um bônus, a cereja no topo. O importante mesmo é o sucesso nacional. Mas nem aqui no Brasil a emissora conseguiu repetir o sucesso e isso fica clara quando constatamos que nada que o canal exibiu, nem mesmo a Copa do Mundo, conseguiu chegar perto dos 51 pontos registrados pelo capitulo final de Avenida Brasil em outubro de 2012.

Mas a Globo tem pouco com que se preocupar quando comparado com os executivos televisivos chilenos ou argentinos. Na Argentina, particularmente, a dramaturgia local sempre foi o ponto central da TV, liderando com facilidade os níveis de audiência e sendo exportada para todo o mundo. Contudo, desde 2012, nenhum canal — nem a Telefe, nem o Canal 13 — consegue emplacar um enorme sucesso e todas as histórias que conquistaram o público são títulos internacionais que, pela primeira vez na história, estão dominando o horário nobre das duas principais emissoras do país.

No Canal 13, Noche & Dia, a grande aposta nacional do canal, estrelando grandes nomes locais, tem penado para conseguir metade da audiência da novela turca. A emissora teve que deixar o orgulho de lado e aceitar que o programa importado, não a produção própria, era a grande estrela do canal. Por isso, os horários foram invertidos: Mil y Una Noches agora é exibido no horário nobre, as 22hs, enquanto Noche & Dia foi movido para as 23hs. A maior audiência da Telefe também é uma lata, Amor à Vida, que apesar de não ter chegado perto do sucesso da turca também tem feitos números respeitáveis.

Pelo menos na Argentina, os produtores locais ainda tem esperança de reviver o interesse do público nas ficções nacionais. A Telefe irá produzir três novelas para 2015, incluindo uma super produção dirigida por Juan José Campanella, ganhador do Oscar por El Secreto de tus Ojos. Já o Trece também prepara duas ficções noturnas, incluindo um thriller com o respeitado ator Julio Chavez. Mas, enquanto esses programas não chegam, as turcas continuam sua dominação, com Mil y una Noches liderando com folga as audiências nacionais no Trece e, em breve, também desembarcam na Telefe.

Além da Argentina e do Chile, Las Mil y Una Noches também está sendo exibida na Colômbia e no Peru e, em breve, estreia no México e no Brasil, na Bandeirantes.

As novelas turcas

Produções impressionantes; paisagens exóticas e enredos tradicionais e machistas . Uma formula ganhadora. Antes de julgar, lembre-se: isso também descreve grande parte dos grandes sucessos brasileiros e internacionais (Crepúsculo e 50 Tons de Cinza anyone?).

Sendo justo, os turcos conseguem pegar umas ideias pavorosas e fazer a coisa de maneira tão sedutora que faz com que você quase releve o nível de errado da coisa toda, o que não deixa de ser um talento. Além disso, quando eles querem, eles também são capazes de fazer programas com ótimos scripts e bastante thought-provoking. E, mesmo com os enredos tradicionalistas e machistas, uma das grandes inovações das novelas turcas foi mostrar mulheres independentes e bem-sucedidas no mundo islâmico, quebrando estereótipos e gerando admiração entre as mulheres do Oriente Médio (e também bastante polêmica).

Antes de chegar na América Latina, as novelas turcas causaram uma verdadeira revolução (e bastante controvérsia) no Oriente Médio e na Europa do Leste. Em alguns países árabes, alguns consideraram as temáticas muito polêmicas; em outros países, o sucesso das produções causou preocupação pelas implicações políticas, já que muitos países têm relações conturbadas com a Turquia. A controvérsia não atrapalhou em nada os números recordes de audiência, que ajudaram a consolidar a imagem da Turquia como um país que sabe equilibrar as tradições do mundo árabe com a modernidade ocidental. O país lucra centenas de milhões de dólares por ano com a venda de suas ficções.

Binbir Gece (As Mil e Uma Noites)
93 episódios exibidos entre 2006 e 2009 no Kanal D, na Turquia. Antes de conquistar o Chile e a Argentina, a novela tinha sido exibida com enorme sucesso no Oriente Médio e na Europa do Leste.

Com um filho doente, Sherazade precisa desesperadamente de dinheiro para operá-lo. Sem ninguém a quem recorrer, ela pede ajuda a Onur, o dono da empresa de construção na qual ele trabalha. Ele concorda em dar o dinheiro, com uma condição: ela terá que passar a noite com ele. Sherazade aceita e, depois dessa noite, Onur não consegue mais tirar a mulher de sua cabeça. Nasce assim um complicado e intenso romance, cheio de culpa e reviravoltas.

As Mil e Uma Noites é, até o momento, o maior fenômeno da Turquia a nível internacional e é responsável por desatar a febre das novelas turcas no Chile, onde conseguiu níveis históricos de audiência, e no resto da América Latina. Ela atualmente lidera com folga as audiências da Argentina, obtendo números que produções locais não conseguem em anos.

Fatmagül’ün Suçu Ne? (Que culpa tem Fatmagul?)
81 episódios, exibidos entre 2010 e 2012 no Kanal D. O seriado foi um sucesso no seu país natal mas também se consolidou como um dos maiores sucessos da história do Paquistão, onde já foi reprisado três vezes.

Baseado numa história real, Fatmagul é uma garota simples que cria ovelhas em um pequeno povoado na costa da Turquia, e está prestes a se casar com o pescador Mustafa. Uma noite, ela encontra três rapazes alterados por drogas e álcool que a estupram. Os rapazes — Salim, Erdogan e Kerim — estão reunidos para celebrar a despedida de solteiro de Salim, filho do empresário mais rico da região. Um quarto rapaz do grupo, Kerim, que desmaiou de bêbado antes do estupro, assume a culpa e, para proteger a imagem dos negócios do pai de Salim, é obrigado a casar com Fatmagul. Ambos se mudam para Istambul mas Mustafa, o ex-noivo da moça, promete se vingar de todos que destruíram seu amor. Apesar desse argumento pavoroso, li gente dizendo que a série é sobre Fatmagul tentando se recuperar do abuso que sofreu e seguir adiante e que a série tem seu valor e consegue fazer jus ao tema complicado. Hmm… não sei não.

Fatmagul foi a substituta de Las Mil y una Noches no Chile. Apesar de não ter conseguido os níveis históricos de audiência da antecessora, a turca é atualmente o programa mais visto do país. Na Argentina, a Telefe já comprou os direitos.

Ezel
71 episódios, exibidos entre 2009 e 2011 pela ShowTV e pela ATV. Uma das séries mais premiadas da Turquia, com mais de dez reconhecimentos nacionais e internacionais, incluindo Best Script Format no C21 Awards e Best Drama no Seoul International Drama Awards.

Omer é um jovem, vivendo uma vida normal de classe média em Istanbul. Um dia ele conhece a bela Eysan e ambos se apaixonam perdidamente. Os dois, junto com dois amigos de infância de Omer, são coagidos, pelo mafioso pai de Eysan, a roubar um cassino. O roubo dá errado e Omer é traído pelo amor de sua vida e seus dois melhores amigos e acaba sendo condenado a vida na prisão. Enquanto isso, Eysan descobre que está gravida do filho do seu namorado, agora preso. Passam-se 12 anos e, graças a um grande incêndio, Omer consegue finalmente escapar. Com a ajuda de um ex-companheiro de cela, ele consegue reconstruir sua vida e modificar, através de plásticas, sua aparência. Sob uma nova identidade, Omer, agora conhecido como Ezel, promete se vingar de todos aqueles que o traíram.

Ezel é exibido logo após Fatmagul no Chile e é a segunda maior audiência do país atualmente.

Muhteşem Yüzyıl (O Maravilhoso Século)
139 episódios, exibidos entre 2011 e 2014 pela ShowTV e pela Star TV. A super produção histórica conta a história do Sultão Suileman, o Magnifico e sua conquista do Império Otomano. A retratação dramática e um pouco escandalosa da idolatrada figura histórica causou enorme polêmica na Turquia mas também rendeu audiências altíssimas, desatando uma febre por novelas épicas.

A produção foi uma das séries turcas mais exportadas, tendo chegado aos EUA; França; Itália; Espanha; Israel e outras dezenas de países. A popularidade enorme da série na Grécia e na Macedônia causou controvérsias políticas e na Macedônia, especificamente, foram introduzidos regulamentações para limitar o número de séries turcas nos canais locais.

No Chile, onde está sendo exibida como nome de El Sultán, a novela foi a grande aposta do canal 13 para 2015 que se rendeu as produções turcas depois dos sucessos excepcionais no Mega. Apesar da produção não ter obtido tanto respaldo quanto as do concorrente, El Sultán é o programa mais visto da emissora.

Cinema 2014: fádiga de Hollywood ajuda fenômenos locais

O verão estado-unidense é a época de ouro para os grandes estúdios. As férias escolares trazem faturamento recordes e explicam o porque de tantos grandes lançamentos serem concentrados entre os meses de junho e agosto. Esse ano, porém, o verão foi motivo de bastante lamentação: Hollywood teve seu pior resultado desde 1997 (ajustado pela inflação) e uma queda de 15% em relação a 2013, deixando claro que os americanos estão cada vez menos empolgados com a ideia de gastar seus suados trocados em filmes que, francamente, são quase sempre mais do mesmo.

Apesar disso, a hegemonia dos filmes de Hollywood segue inabalada. Com mais de 1 bilhão de dólares lucrados globalmente, o quarto filme da franquia Transformers, Age of Extinction — o primeiro com Mark Whalberg e Nicole Peltz nos papeis principais — ocupa com folga o posto de longa de maior sucesso do ano. O resultado espetacular, contudo, não ofusca o fato de que Transformers é um exemplo clássico do tipo de filme que explica a fadiga do públicp: formulaico, baseado numa franquia já existente e com uma forte dependência de efeitos especiais espetaculares para distrair do fato de que o roteiro basicamente não existe.

Transformers 4 foi o único filme da franquia a não ultrapassar dos 300 milhões de dólares no seu mercado natal e, com 245.5 milhões de dólares arrecadados, ele mostrou uma queda considerável em relação ao segundo filme da série, lançado em 2009, e que lucrou mais de  400 milhões. O resultado do longa em mercados europeus e no Japão também foi bastante aquém aos antecessores.

Contudo, como os resultados globais do longa de Michael Bay deixam claros, Hollywood está sabendo mascarar essa queda de interesse graças a conquista de novos territórios que, até pouco tempo atrás, eram insignificantes. Hoje, esses países — como a Rússia (onde Age of Extinctinon lucrou mais de 45 milhões de dólares) — são alguns dos mais lucrativos mercados internacionais e, depois de conquistar o ex país soviético, as garras de Hollywood estão fincadas na China.

Com mais de 1 bilhão de pessoas, a China é um mercado gigantesco. Lançar um filme no país, porém, é complicado e exige muitíssima negociação com os órgãos públicos. O esforço é justificado pelo tamanho do lucro em potencial. O país, sozinho, foi responsável por fazer de Transformers: Age of Extinction o sucesso monstro que ele acabou sendo. Coproduzido por uma companhia chinesa, o longa é o maior sucesso da história do país, com 301 milhões de dólares arrecadados, conseguindo o ato quase inédito de superar o faturamento norte-americano.  O amor dos chineses por blockbusters de ação também significou lucros gigantescos para X-Man: Days of the Future Past; Captain American: The Winter Soldier; Dawn of the Planet Apes; Guardians of the Galaxy e The Amazing Spider Man 2, todos com rendas superiores a 90 milhões de dólares no país.

A crescente demanda por assistir filmes via métodos legais na China é fonte de enorme otimismo para os executivos de Hollywood. Porém, no resto do mundo, a falta de ofertas empolgantes dos titãs do entretenimento está fazendo com que o público local opte por prestigiar produções locais, com roteiros mais criativos e que falam de maneira mais profunda e direta com a população. E, apesar da enorme dificuldade de qualquer país de enfrentar os gigantescos americanos, 2014 foi um ano onde, novamente, diversos países conseguiram produzir seus próprios fenômenos de bilheteria.

Espanha: diante de uma nação fragmentado e em caos econômico e político, uma comédia une o país

A Espanha, com sua milenar história de grandes descobertas, conflitos e riquezas, foi um dos maiores responsáveis por moldar o mundo ocidental. Mas, apesar do seu passado glorioso e rico, o país passou grande parte da segunda metade do século 20 ofuscado, sofrendo uma opressora ditadura que os manteve bastante atrasados em comparação com seus vizinhos europeus. As Olimpíadas de Barcelona em 1991 os colocaram no centro do holofote global, transformando-os num dos maiores polos de turismo mundial e a Espanha entrou no novo milênio cheio de otimismo, investimento e a sensação de que, novamente, eles estavam lado a lado das grandes potências. Tudo isso came crashing down com a crise global de 2008 e, desde então, o país tem enfrentado uma crise histórica, com enorme desemprego e poucas perspectivas de recuperação.

O tumulto econômico espanhol é só um dos muitos aspectos que refletem o caótico panorama na Espanha. Dividido em diversas regiões autônomas, o país tem enorme dificuldade para inspirar em sua população a sensação de um “país unido” e cada região tem sua própria cultura, forma de encarar a vida e muitas delas têm inclusive língua própria. As duas principais cidades do país, Madrid, a capital, e Barcelona, a principal cidade da rica região da Catalunha, tem uma rivalidade histórica que trace back para séculos e séculos atrás e, com a crise, o movimento separatista catalão ganha cada vez mais força.

No meio desse caos, uma comédia que ri das diferenças culturais do país, Ocho Apellidos Vascos (Oito Sobrenomes Bascos), lançado em março, conseguiu a difícil missão de unir a Espanha, levando mais de 9 milhões de pessoas aos cinemas (quase 1/4 da população do país) e se transformando na maior bilheteria da história.

Enquanto a cobertura das rivalidades e conflitos separatistas em geral focam em Madrid e Barcelona, ambas as cidades, grandes e cosmopolitas, não são tão diferentes entre si. Ocho Apellidos foca em duas regiões que, essas sim, são total opostos uma da outra: a quentíssima, cálida, romântica, espanholíssima Andalucia e o frio, nublado, desenvolvido País Basco.

Os protagonistas do filme são Rafa, um andaluz, super latin lover e representante de todos os estereótipos da região e Amaia, uma basca fria e moderna. Por coincidências do destino, os dois acabam se cruzando e, apesar de serem completamente diferentes, Rafa acaba se apaixonando perdidamente por Amaia, que pertence a uma família ultranacionalista que nunca aceitaria que ela estivesse num relacionamento com alguém fora da região. Abandonada por seu noivo poucos dias antes do seu casamento, Amaia vai receber a visita do seu pai ausente pela primeira vez em anos e não quer contar para ele que seu noivado foi por água baixo. Por isso, ela recruta o andaluz apaixonado, que faria qualquer coisa para vê-la novamente, até sua cidade natal com uma missão quase impossível: manter a farsa de que ele é o noivo basco dela.

Enquanto as tentativas do andaluz de raiz em fingir que é basco são hilariantes para o público espanhol, familiarizado com os estereótipos e tradições das respectivas regiões, as piadas se perdem para os não locais. Isso significou que o filme teve um alcance internacional curtíssimo, fracassando inclusive no país vizinho, Portugal, onde, por também fazer parte da Peninsula Ibérica e ter uma cultura bastante similar, recebeu um significante marketing push. Mas os resultados históricos na Espanha fizeram com que a recepção morna internacional passasse completamente despercebida: o filme superou The Impossible, o filme de 2012 de Juan Antonio Bayona, para se transformar na maior bilheteria da história da Espanha, com um rendimento de quase 60 milhões de euros (em dólares, o rendimento foi de U$77.5 milhões).

Na cena que dá origem ao título do filme, o pai de Amaia menciona que a garota teve um namorado “do sul”. “Do sul?”, pergunta em choque Rafa. “Sim, de Vitória”, responde o pai, citando uma cidade do País Baixo que, por sua posição geográfica, é menos de raiz que suas vizinhas ao norte. “Mais ele era bem vasco, hein! Ele tinha os oito sobrenomes vascos!!”. “Ah, ele também tem!”, diz Amaia apontando para Rafa, dando a deixa para que ele invente, de cabeça, oito sobrenomes longuíssimos e cheios de consoante, como os tradicionais sobrenomes locais.

Em outro momento do longa, Rafa joga um cigarro aceso numa lixeira, iniciando um pequeno incêndio que é confundido com um ato de protesto. Em pouco tempo, ele aglomera uma multidão e vira o líder de uma manifestação separatista. Pressionado pelas pessoas reunidas (e até pela TV local), Rafa puxa um grito de guerra: “Somos mejores! Que los españoles!”. “Discurse em basco!!“,  alguém grita. “Não! Para quem estamos pedindo a independência? Para os bascos? Ou para Madrid? Temos que falar em espanhol para que eles nos entendam!”, responde Rafa, que não sabe uma palavra do complicadíssimo idioma local. Já com a multidão ao seu lado ele entona uma versão super desafinada do famosíssimo hit “Sevilla tiene un color especial” do Los del Rio (conhecidos globalmente graças a obra de arte Macarena), substituindo a capital andaluz por “Euskadi” (“País Basco” no idioma local). “Euskadi tiene un color especial! Euskadi tiene un color diferente!” repetem os protestantes.

O filme que ri das diferenças espanholas acabou por unir o país. De norte a sul, não teve uma cidade onde 8 Apellidos não foi um fenômeno: Madrid, Catalunha, Andalucia, País Baixos e todas as demais regiões, a sensação foi que não teve ninguém que não foi no cinema prestigiar o longa metragem. Clara Lagos e Dani Rovira, ambos já bastante sucedidos, tiveram a popularidade potencializada, sendo escolhidos como protagonistas da mega campanha de liquidação de verão do El Corte Inglés, a maior loja de departamento da Espanha. O sucesso foi tamanho que, quando o DVD e o blu-ray foram lançados,  seis meses após a estreia, ainda haviam 54 salas de cinema exibindo o filme.

Em abril de 2015, a sequência começa a ser filmada. A continuação focará novamente nas diferenças entre Andaluzia e País Baixo e adicionará mais uma região autônoma a equação: Catalunha.

Em momentos de crise econômica e protestos separatistas, nada melhor do que o humor para lembrar que, por mais que o país tenha muitas diferenças, são todos, no final das contas, parte da mesma cultura.

Argentina: gargalhadas selvagens em um país transtornado

Damian Szifrón é um nome fortíssimo na Argentina. Entre 2002 e 2003, criou e roteirizou Los Simuladores, fenômeno de audiência na Telefe e considerado por muitos como a melhor série argentina de todos os tempos. Em 2003 e 2005, dirigiu dois elogiados e bem-sucedidos filmes, El Fondo del Mar e Tiempos Valientes antes de voltar a televisão, em 2006, com mais um sucesso: Hermanos y Detectives. Desde então, Szifrón se retraiu. Por tanto, quando, depois de quase oito anos, foi anunciado que ele iria voltar com um novo filme, Relatos Salvajes — que tinha o maior ator argentino, Ricardo Darin, no elenco e produção do celebradíssimo diretor espanhol Pedro Almodovar —  as expectativas eram altíssimas. Mesmo assim, o filme conseguiu a missão dificílima de superá-las: com 3.5 milhões de ingressos vendidos, o filme se se transformou no filme local de maior sucesso da história.

Todo mundo esperava uma estreia fantástica de um filme que envolvia Szifrón, Darin, Almodovar e tinha promoção da Telefe e recepção fantástica em festivais mundo afora, incluindo Cannes. Porém, logo no primeiro final de semana, já ficou claro que até as apostas altas iriam ser modestas quando comparados aos resultados: 500 mil pessoas correram para o cinema, coroando o filme como a melhor abertura de um filme local na história. Demorou oito semanas para Relatos Selvagens desocupar o topo dos filmes mais vistos do país e ele não mostra sinais de que vai sair dos top 5 por bastante tempo. O filme já é a terceira maior bilheteria da história da Argentina, só superado por A Era do Gelo 4 e Titanic. Relatos Selvagens e Titanic são, alias, os únicos dois filmes não-animados a ultrapassarem a casa de 3 milhões de ingressos vendidos no país.

Relatos Selvagens engloba seis histórias curtas de humor negro, todas elas fazendo jus ao título. O filme, claro, será a nominação argentina ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Ainda teremos que esperar uns meses para constatar se Relatos vai conseguir agradar a Academia tanto quanto O Segredo de seus Olhos mas, em contrapartida, o público já foi totalmente conquistado. O ganhador do Oscar era, até a estreia do filme de Szifrón, a maior bilheteria de um filme local na Argentina. Relatos Salvajes, contudo, mais que dobrou o lucro do filme anterior, chegando a 19 milhões de dólares arrecadados na Argentina e no Uruguai.

O tom cínico e autodepreciativo do filme tem bastante do humor e do jeito argentino de ver o mundo. E, em tempos de caos político, impunidade e economia extremamente turbulenta, o sucesso de Relatos pode indicar um pouquinho sobre o estado emocional do povo local.

Mas, deixando a análise psicológica de lado, não tem como discordar que o filme é realmente impressionante e mais um ótimo exemplo da alta capacidade dos nossos vizinhos de fazer longas-metragens com produção, roteiro e direção do mais alto calibre. Além dos 18 milhões de dólares arrecadados na Argentina e no Uruguai, Relatos tem tido bom desempenho na Espanha, país que co-financiou o filme. Depois de uma estreia para lá de discreta — lucrando 653 mil dólares e estreando em sexto nas bilheterias — o filme se beneficiou do boca a boca e se mantém estável entre as quatro maiores bilheterias do país desde então, já tendo ultrapassado 3.5 milhões de dólares de rendimento em um mês desde que foi lançado.

Com 25 milhões de dólares arrecadados até o momento, o filme tem um longo caminho até alcançar os 33 milhões alcançados globalmente por El Secreto de sus Ojos (incluindo 8mi na Espanha; 6.4mi nos EUA; 1.6mi no Brasil; 1.55mi na Itália e 1.1mi no Reino Unido) mas, mesmo sem um Oscar, o filme tem superado o filme de Campanella nos poucos mercados onde já estreou (Peru, Chile, Venezuela, Colombia, Holanda) além de estar andando a longos passos na Espanha e no Brasil.

França: rindo do racismo ou apenas reforçando-o?
Fenômeno de bilheteria ressalta problemas que o país tem com o multiculturalismo

Em 2008, Bienvenue chez les Ch’tis, que ri dos estereótipos da infame região nordeste da França, quebrou o recorde de maior bilheteria da história do país, arrecadando 194 milhões de dólares e levando mais de 20 milhões de pessoas aos cinemas (e também originando uma super bem-sucedida adaptação italiana). Em 2009, Avatar, o primeiro filme de James Cameron desde Titanic (que, com 21.8 milhões de ingressos vendidos em 1997, é o único filme na história da França que vendeu mais ingressos que Ch’tis) também levou uma multidão para os cinemas que, curiosas pela nova  e groundbreaking tecnologia 3D, não se incomodou em pagar um preço mais alto pelo ingresso, deixando incríveis 175.6 milhões de dólares nas bilheterias do país. E, em 2011, depois de um 2010 tranquilo, a tocante comédia Intouchables, sobre a amizade entre um aristocrata deficiente físico branco com seu auxíliar negro do gueto, levou 19.5 milhões de pessoas aos cinemas, se transformando na terceira maior atração da história do cinema na França (atrás só de Titanic e Ch’tis) com mais de 166 milhões de dólares na França. O filme transcendeu a França e, graças a resultados altíssimos no mundo inteiro, o longa fechou seu run com 426.6 milhões de dólares, o lançamento francês mais bem sucedido da história.

Desde então, nenhum grande arrasa quarteirão abalou as estruturas das salas de cinema francês mas, esse ano, um filme chegou perto. Qu’est-ce qu’on a fait au Bon Dieu? (O que fizemos ao Bom Deus?) não alcançou os resultados dignos dos livros dos recordes de Intouchables e Ch’tis mas foi um dos quatro filmes a ultrapassar a barreira dos 100 milhões de dólares arrecadados nas últimas duas décadas e apenas o sétimo filme a vender mais de 12 milhões de ingressos nos últimos 40 anos. Nada mal, né?

Qu’est-ce qu’on a fait… é uma comédia que, assim como Intouchables, trata de uma França cada vez mais diversa e a dificuldade de muitos em se adaptar a isso. Em tempos de muita controvérsia em relação a racismo e direitos de minoria e do assustador crescimento do partido de extrema direita, Front National, o filme causou identificação no público local contando a história de um casal provinciano, burguês, branco e ultra conservador, Claude e Marie e a dificuldade deles em aceitar o casamento multi-racial de suas filhas. Isabelle se casou com o muçulmano Rachid; Odile com o judeu David e Ségolene com o chinês Chao. Quando a filha mais nova, Lauren, avisa que está noiva, o casal sente tanto alivio em descobrir que ele é católico e se chama Charles que estão dispostos até em perdoar o fato de que ele é ator. Qual a surpresa deles em descobrir que Charles é negro, veio da Costa de Marfim e tem um pai cheio de ressentimento com brancos e a colonização da África.

O filme, que celebra uma França cada vez mais multicultural e faz piada com a ideia de que todo mundo, independentemente da etnia, guarda preconceitos, também teve ótimos resultados em outros mercados europeus onde já foi lançado como Grécia e Bélgica. Na Alemanha e na Áustria, o filme ultrapassou os 39 milhões de dólares arrecadados e é um dos maiores sucessos do ano e, a julgar pelo ótimo recebimento em Portugal, o filme tem grande potencial na Espanha, onde estreia em dezembro, e na Itália.

Mas enquanto Qu’est-ce…, cujo título internacional é Serial (Bad) Weddings, tem obtido bons resultados em diversos mercados (seu lucro global até o momento, 149 milhões de dólares, é mais do que 10 vezes o custo de produção, que foi de apenas 13mi), ele tem encontrado enorme dificuldade para arranjar distribuidores no Reino Unido e nos EUA, mercados onde filmes franceses com respaldo tão gigantesco não costumam ter dificuldades em serem lançados. Em entrevista ao Le Point, a diretora de vendas internacionais da TF1, Sabine Chemaly, explica o porque da dificuldade: “eles têm um approach cultural bastante diferente do nosso. Eles consideram o filme muito politicamente incorreto e eles nunca se permitiram rir  de negros, judeus e asiáticos. É claro que o sucesso do filme os empolga mas eles sabem que ele seria instantaneamente fonte de enorme polêmica”.

“A fonte de comédia é diferente nesses países. Eles vivem com as diferenças, mas não sabem rir delas. Mesmo com a distância cômica, caricaturas não são consideradas aceitáveis”. E olha, posso dizer? Os EUA e o Reino Unido estão cobertos de razão. Ainda não vi o filme e posso morder minha língua mas existe uma linha tênue entre rir de estereótipos e reforça-los e, a julgar pelo trailer e pelo que ouvi, o filme se adequa mais a segunda categoria. A mídia britânica e americana estão longe de ser perfeitas mas a percepção do que é aceitável e não é por lá é bastante mais acentuada do que na França e outros países europeus.

A intenção do filme com certeza não é cruel e acho ótimo e importante a celebração do multiculturalismo francês mas acho que a ideia de que “todo mundo é um pouquinho racista” (sim, eu sei que isso é uma música do Avenue Q) e a celebração disso através do humor é algo bastante repugnante, com mais danos do que benefícios. Não, não vejo absolutamente nada de endearing numa senhora que chora, mesmo que comicamente, com a ideia de que seu neto será miscigenado.

Tudo bem que eu não vi o filme (apesar de que, admito, não fiquei com muita vontade depois de ver o trailer. Não me pareceu engraçado) e, depois que tiver a oportunidade de assisti-lo, posso mudar de ideia. Mas acho bem difícil. De qualquer maneira, uma sequência já está sendo planejada, com lançamento previsto para 2016. Estou na torcida que, até lá, as visões do que é aceitável na França mudem um pouco e o filme acabe sendo de mais bom gosto.

Coreia do Sul: um antídoto nacionalista para um país em luto

Assim como na França, a Coreia do Sul tem diversas leis para proteger o cinema nacional e garantir espaço para filmes locais nas salas de exibição. Graças a isso, o mercado é bastante saudável e o top 10 anual sempre está cheio de filmes locais. Contudo, um fenômeno do tamanho do filme épico Myengryang: Roaring Currents, lançado no final de julho, é algo inédito na história do país. O filme vendeu 18 milhões de ingressos (num país com uma população de 50 milhões) e foi o primeiro longa doméstico a ultrapassar a barreira de 100 milhões de dólares arrecadados (131.5 milhões).

Lançado pela gigantesca CJ Entertainment com uma enorme campanha de marketing, o filme estreou em mais da metade de todas as salas de cinema do país. O longa, uma super produção com impressionantes sequências de ação, conta a história de uma batalha naval no século 16 onde, contra todos os prognósticos, uma frota pequena da Coreia, sob o comando do almirante Yu Sun-sin, conseguiu derrotar a muito mais numerosa e poderosa frota dos históricos rivais do país, os japoneses.

A vitória é, até hoje, considerado um dos maiores triunfos da Coreia do Sul, uma nação que se orgulha de ter ascendido da pobreza pós-guerra para se transformar numa grande potência mundial e que, em abril de 2014, sofreu um enorme trauma nacional quando o ferry Sewol naufragou num acidente causado por enormes negligências, matando 304 pessoas, a maior parte deles alunos e professores de uma escola em Seoul. O diretor da escola, resgatado durante o acidente, cometeu suicido algumas semanas depois e grande parte dos coreanos, inclusive os pais das vítimas, acreditam que a justiça ainda não foi feita, com muitos dos responsáveis pelo acidente ainda livres e muitos corpos ainda não encontrados.

O filme, nacionalista e uplifting, que reproduz de maneira impressionante um dos maiores contos de vitória da história do país, serviu para reviver um pouco os ânimos de um país em luto.